Ucrânia: Moscovo e Kiev anunciam nova troca de prisioneiros de guerra

As autoridades da Rússia e da Ucrânia confirmaram hoje uma nova troca de prisioneiros de guerra, com o regresso aos respetivos países de 70 pessoas, entre soldados e civis.

Yehor Milohrodskyi/Unsplash

De acordo com o chefe de gabinete da presidência ucraniana, Andriy Yermak, entre os libertados pela Rússia incluem-se ucranianos que defenderam a cidade de Mariupol, palco de violentos confrontos nas primeiras semanas da guerra.

Segundo Yermak, a Rússia entregou 22 guardas nacionais, quatro soldados da Marinha e um civil, a quem as Forças armadas russas tinham amputado uma perna, segundo a agência noticiosa ucraniana UNIAN.

Por sua vez, Moscovo confirmou a libertação de 35 soldados russos, que segundo o ministério da Defesa estavam em risco de vida devido ao seu cativeiro pelas tropas ucranianas, informou a agência noticiosa TASS.

O ministério informou que os soldados russos serão transportados para Moscovo a bordo de aviões de transporte militar das forças aeroespaciais russas, e que receberão tratamento e reabilitação no seu país.

Moscovo e Kiev têm protagonizado diversas trocas de prisioneiros desde o início da guerra, apesar de ainda não existirem perspetivas sobre uma solução negociada para o conflito.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus –, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.595 civis mortos e 10.189 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Recomendadas

Ucrânia: Portugal reforça com um milhão de euros pacote da NATO de ajuda não letal

“Portugal vai dar um contributo extraordinário para o pacote de assistência abrangente, que é um pacote da NATO para apoio não letal e, portanto, que será também dedicado à reposição da capacidade energética da Ucrânia. E demos hoje a indicação que avançaremos com uma contribuição extraordinária de um milhão de euros”, anunciou.

Ucrânia: UE propõe tribunal especial para julgar “crimes horríveis” da Rússia (com áudio)

O anúncio foi feito hoje pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, numa mensagem difundida através da rede social Twitter, acompanhada de imagens vídeo da declaração.

Ucrânia teve “alguns milhares” de ciberataques este ano, diz ministro ucraniano

Mykhailo Fedorov, responsável pela pasta da Digitalização na Ucrânia, diz que os ataques informáticos acontecem diariamente e que proteger os dados da população não se mede em dólares.
Comentários