Ucrânia. No início da guerra, Putin rejeitou acordo de paz recomendado por assessor

O acordo do emissário de Putin para a Ucrânia, Dmitry Kozak, eliminava a necessidade de a Rússia perseguir uma ocupação em larga escala da Ucrânia. Mas, na altura que foi apresentado, o líder russo disse que havia expandido os seus objetivos para incluir a anexação de faixas do território ucraniano.

epa09910064 Russian President Vladimir Putin meets with Russian Olympic and Paralympic athletes during a state awards ceremony for Russian medal winners of the Beijing 2022 Olympic Winter Games at the Kremlin in Moscow, Russia, 26 April 2022. EPA/YURI KOCHETKOV

O emissário de Vladimir Putin para a Ucrânia, Dmitry Kozak, disse ao o presidente russo no início da guerra que  havia fechado um acordo provisório com Kyiv que satisfaria a exigência da Rússia de que a Ucrânia ficasse fora da NATO, mas Putin rejeitou-o e continuou a sua campanha militar, disseram três pessoas próximas à liderança russa à “Reuters”.

O acordo de Kozak eliminava a necessidade de a Rússia perseguir uma ocupação em larga escala da Ucrânia, acrescentaram as fontes.

Putin tem reiterado publicamente que a ambição da Ucrânia se juntar à aliança de defesa ocidental representava uma ameaça existencial à Rússia, forçando-o a reagir em nome do interesse nacional. Mas, apesar de ter apoiado anteriormente as negociações, Putin deixou claro quando conheceu o acordo que as concessões negociadas não foram suficientemente longe e que o líder russo havia expandido os seus objetivos para incluir a anexação de faixas do território ucraniano, disseram as fontes. Assim, o acordo que colocava um ponto de final no receio anunciado do alargamento da NATO não viu a luz do dia.

PARIS, 14 de setembro (Reuters) – O enviado-chefe de Vladimir Putin para a Ucrânia disse ao líder russo no início da guerra que ele havia fechado um acordo provisório com Kyiv que satisfaria a exigência da Rússia de que a Ucrânia ficasse fora da Otan, mas Putin o rejeitou e seguiu em frente. com sua campanha militar, segundo três pessoas próximas à liderança russa.

O enviado ucraniano, Dmitry Kozak, disse a Putin que acreditava que o acordo que ele havia fechado eliminava a necessidade de a Rússia perseguir uma ocupação em larga escala da Ucrânia , segundo essas fontes. A recomendação de Kozak a Putin para adotar o acordo está sendo relatada pela Reuters pela primeira vez.

Publicidade · Role para continuar
Putin havia afirmado repetidamente antes da guerra que a Otan e sua infraestrutura militar estavam se aproximando das fronteiras da Rússia ao aceitar novos membros da Europa Oriental, e que a aliança agora estava se preparando para trazer a Ucrânia para sua órbita também. Putin disse publicamente que isso representava uma ameaça existencial à Rússia, forçando-o a reagir.

Mas, apesar de ter apoiado anteriormente as negociações, Putin deixou claro quando apresentado ao acordo de Kozak que as concessões negociadas por seu assessor não foram suficientemente longe e que ele havia expandido seus objetivos para incluir a anexação de faixas do território ucraniano, disseram as fontes. Resultado: o negócio foi cancelado.

Questionado sobre as descobertas da “Reuters”, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse: “Isso não tem absolutamente nenhuma relação com a realidade. Isso nunca aconteceu. É uma informação absolutamente incorreta”. Kozak não respondeu aos pedidos de comentários enviados pelo Kremlin.

Recomendadas

Alcançado acordo político entre países da UE para novo pacote de sanções à Rússia

A informação foi avançada aos meios de comunicação social europeus por fonte oficial da presidência checa do Conselho da UE, que indicou que “os embaixadores [dos Estados-membros] acabam de chegar a um acordo político sobre novas sanções contra a Rússia”.

Ucrânia: Putin promulga tratados de anexação de quatro regiões ucranianas

No início desta semana, os tratados de anexação dos quatro territórios à Rússia também receberam aprovação das duas câmaras do Parlamento russo.

Ucrânia. EUA anunciam novo pacote de 627,3 milhões de euros em ajuda militar a Kiev

O presidente norte-americano, Joe Biden, informou hoje o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, da concessão de um novo pacote de ajuda militar de 625 milhões de dólares (627,3 milhões de euros).
Comentários