Ucrânia. Ocidente vai entregar mais armas pesadas “num futuro próximo”

O compromisso é do secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, que garante que as “recentes promessas” não estão esquecidas. O responsável máximo da aliança militar diz que estamos “numa fase decisiva da guerra”.

epa09846292 NATO Secretary General Jens Stoltenberg gives a press conference at the end of an extraordinary NATO Summit at the Alliance headquarters in Brussels, Belgium, 24 March 2022. EPA/STEPHANIE LECOCQ

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, sublinhou hoje em Kiev o apoio dos países da aliança à Ucrânia e garantiu que o país, invadido pela Rússia há quase um ano, receberá mais armas pesadas “num futuro próximo”.

O pedido de reforço de apoio à Ucrânia tem sido recorrente por parte das autoridades do país, com o presidente, Volodymyr Zelensky, a ter encontros com os principais líderes mundiais.

“As recentes promessas de armamento pesado são significativas – e espero que mais venham no futuro próximo”, disse Jens Stoltenberg, citado pelo jornal diário alemão Handelsblatt.

A garantia do secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, na sigla em inglês) foi dada poucos dias antes de uma nova reunião, agendada para 20 de janeiro, dos países ocidentais que fornecem ajuda à Ucrânia, que irá decorrer na base norte-americana de Ramstein, na Alemanha.

“Estamos numa fase decisiva da guerra”, acrescentou Stoltenberg, admitindo que “é importante fornecer à Ucrânia as armas de que precisa para vencer”.

Alguns países do Ocidente têm revelado hesitação perante a entrega de armamente mais pesado à Ucrânia – compreensivelmente, já que um escalar do conflito os pode arrastar para uma situação mais tensa com a Rússia de Vladimir Putin. Contudo, o leque de armamento que tem chegado à Ucrânia tem sido cada vez maior.

Só no início deste mês, França, Alemanha e Estados Unidos assinaram acordo para enviar veículos blindados com tantes de infantaria ou reconhecimento, nomeadamente 40 Marders alemães, 50 Bradleys norte-americanos e alguns AMX-10 RC, vindos de França.

Também o Reino Unido disse este sábado que irá entregar tanques Challenger 2 ao país, sendo esta a primeira remessa a chegar à linha da frente.

Já do lado da Rússia, Moscovo garante que a decisão não muda a situação no terreno e aviso: a única consequência será a escalada do conflito, uma retórica que tem sido reforçada desde os primeiros dias da invasão, há quase um ano.

Mas Stoltenberg diz que Putin cometeu um erro ao invadir a Ucrânia, por ter “sobrestimado as suas próprias forças armadas”. O secretário-geral aponta “os erros, a falta de moral, os problemas de comando, o equipamento deficiente” como factores que prejudicam a ofensiva russa. Ainda assim, o responsável da NATO reconhece que os russos “demonstram que estão prontos para suportar pesadas perdas para atingir o seu objetivo”.

A ofensiva militar, lançada nas primeiras horas de 24 de fevereiro do ano passado, foi justificada pelo líder russo com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia, para segurança do país vizinho.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

Além de um elevado número de vítimas civis e militares, na casa das dezenas de milhares, a guerra provocou a maior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial, com mais de 8 milhões de ucranianos a passar as fronteiras do país em poucos meses.

Relacionadas

Ucrânia: Sobe para 21 o número de mortos no ataque russo a um prédio no Dnipro

As autoridades ucranianas admitem que os moradores dos 236 apartamentos, o que corresponde a mais de 400 pessoas, terão de ser realojados.

Reino Unido vai enviar tanques pesados Challenger 2 para a Ucrânia

O anúncio de Downing Street seguiu-se a uma conversa entre o primeiro-ministro Rishi Sunak e o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Ucrânia: Putin diz que dinâmica da ofensiva russa é “positiva”

Segundo o exército russo, a conquista de Soledar, onde existem importantes minas de sal que teoricamente permitiriam a proteção de equipamentos e a infiltração por trás das linhas inimigas, é um passo para cercar a cidade vizinha de Bakhmout, que Moscovo tenta conquistar há meses.
Recomendadas

Zelensky desloca-se hoje ao Reino Unido e vai encontrar-se com Sunak

Depois do Reino Unido, espera-se que Volodymyr Zelensky se desloque até Bruxelas amanhã, onde se irá voltar a encontrar com Charles Michel e Ursula von der Leyen. Ainda assim, a visita de quinta-feira ainda é uma incógnita, uma vez que a viagem deveria ter sido mantida em segredo.

Ucrânia: Portugal abriu 103 processos envolvendo crianças e três estão em famílias de acolhimento

Desde que começou a guerra na Ucrânia, a 24 de fevereiro do ano passado, Portugal atribuiu 14.082 proteções temporárias a menores ucranianos, representando cerca de 25% do total dos refugiados que fugiram do conflito.

Ucrânia: Programa levará crianças ucranianas a passar férias em Portugal

“Como um país seguro, Portugal foi visto como uma boa opção para organizar o programa, pelo que vamos preparar tudo para responder a esta necessidade, procurando que Portugal seja mais uma vez um espaço de acolhimento”, apontou Ana Mendes Godinho.
Comentários