Ucrânia prepara acusações dos crimes de guerra contra militares russos

Kiev está a investigar mais de sete mil potenciais crimes de guerra que terão sido cometidos pelas forças russas em território ucraniano. Pelo menos sete militares russos devem ser sancionados pela Ucrânia, de acordo com a procuradora geral daquele país.

A Ucrânia está a investigar 7.600 potenciais crimes de guerra e, pelo menos, meio milhar de suspeitos, na sequência de mais de dois meses de invasão russa à Ucrânia. A procuradora-geral ucraniana disse à agência “Reuters” que muitos dos suspeitos estão na Rússia, mas alguns foram capturados pelas forças ucranianas, na condição de prisioneiros de guerra.

Kiev prepara-se para acusar dos crimes de guerra pelo menos sete elementos das forças russas. Destes, três são pilotos suspeitos de bombardear zonas residenciais nas regiões de Kharkiv e Sumy, outros dois eram operadores de um lança mísseis que terá bombardeado Kharkiv e outros tantos são suspeitos de assassinar um homem residente em Kiev e de violar a mulher. A informação foi dada pela procuradora geral, Iryna Venediktova, à mesma agência.

O gabinete da procuradora notificou os cidadãos de que são suspeitos e estão a ser investigados, ainda que não existam, para já, acusações. Não são conhecidas as identidades dos suspeitos, mas alguns deles estarão detidos pelas forças ucranianas. O plano é acusar os suspeitos tanto nos tribunais da Ucrânia, como no Tribunal Criminal Internacional, o tribunal de crimes de guerra permanente, localizado nos Países Baixos.

O Kremlin e Ministério da defesa russo, questionados sobre esta situação por parte da mesma agência, não comentaram. Moscovo rejeitou recentemente as alegações de que estará a cometer crimes de guerra no território ucraniano.

 

Recomendadas

Ucrânia: Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram este sábado ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

Europa devia olhar para África para reduzir dependência do gás russo

“A Europa na minha opinião devia olhar para áfrica. A África tem imenso gás”, disse o presidente do Banco Africano de Desenvolvimento.

Rússia testa míssil hipersónico que Putin considera “invencível”

O míssil Zircon foi disparado da fragata Almirante Gorshkov no Mar de Barents contra um alvo nas águas árticas do Mar Branco, segundo informações avançadas pelo Ministério da Defesa russo num comunicado citado pela agência de notícias France Presse (AFP).
Comentários