Ucrânia: Presidente polaco admite que míssil terá sido disparado por Kiev

Nada indica que tenha sido um “ataque intencional”, acrescentou.

O Presidente polaco, Andrzej Duda, admitiu hoje que o míssil que matou duas pessoas na Polónia, na terça-feira, “tenha sido lançado pela Ucrânia”, mas disse que nada indica que tenha sido um “ataque intencional”.

Duda declarou que a Polónia não vai invocar o artigo da NATO que prevê consultas entre aliados sempre que esteja ameaçada a “integridade territorial, a independência política ou a segurança” de qualquer dos estados-membros da Aliança Atlântica.

O chefe de Estado disse aos meios de comunicação social em Varsóvia que “é muito provável que o míssil tenha sido fabricado na União Soviética” e que se trate de um modelo S300, segundo a agência espanhola EFE.

Recomendadas

Ucrânia: Alemanha garante apoio ao sector energético e entrega “mais de 350 geradores”

A Alemanha vai fornecer “mais de 350 geradores” à Ucrânia, afetada pelos ataques russos contra as suas infraestruturas de energia nas últimas semanas, divulgou hoje o porta-voz do Governo alemão.

Ucrânia: França e Eslováquia reforçam arsenal militar ucraniano

A Ucrânia anunciou hoje que recebeu sistemas de artilharia LRU oriundos da França e a Eslováquia informou que entregou 30 veículos de transporte de infantaria, para reforçar o arsenal militar que será usado contra a invasão russa.

Hungria diz que não condiciona alargamento da NATO ao envio de verbas comunitárias

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, assegurou hoje que não irá condicionar a ratificação do alargamento da NATO ao envio a Budapeste de fundos comunitários congelados por Bruxelas devido à situação do estado de Direito no país.
Comentários