Ucrânia: Primeiro-ministro britânico critica ausência de Putin na Cimeira do G20 (com áudio)

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, criticou hoje a ausência do chefe de Estado da Rússia, Vladimir Putin, na Cimeira do G20, na Indonésia, e instou Moscovo “a sair da Ucrânia” para acabar com a guerra que considerou “bárbara”.

As posições do chefe do governo britânico foram transmitidas hoje na sessão de abertura da Cimeira do G20 que decorre em Bali, Indonésia.

“Percebe-se que Putin não se sinta capaz de se juntar a nós, aqui. Talvez se o tivesse feito pudéssemos tratar de resolver as coisas”, disse Sunak no Cimeira e perante o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Serguei Lavrov.

“A grande obra que alguém pode fazer é que a Rússia saía da Ucrânia e termine com esta guerra bárbara”, disse ainda o primeiro-ministro britânico, no poder desde outubro, após substituir Liz Truss no cargo.

“É muito simples: os países não deveriam invadir os vizinhos, não deveriam atacar as infraestruturas civis e a população civil e não deveriam ameaçar com a escalada nuclear”, acrescentou.

Para Sunak, o regime de Putin “esmagou os dissidentes internos e revestiu-se de uma fachada para se justificar apenas através da violência” pelo que neste momento “enfrenta uma oposição global” pelas ações que cometeu.

Sunak recordou ainda que o Reino Unido, aliado do governo de Kiev desde o começo na nova invasão da Rússia, em fevereiro, vai “ajudar a Ucrânia durante o tempo que for preciso”.

À margem da Cimeira do G20, Sunak anunciou hoje o novo contrato de construção de cinco fragatas “Type 26” que se somam a outras três da mesma classe e que se encontram nos estaleiros britânicos BAE.

O contrato está orçado em 4.784 milhões de euros.

Recomendadas

Ucrânia. Fundadora de ONG Nobel da Paz 2022 quer Putin em tribunal por crimes de guerra

A representante de uma das organizações que receberam este ano o Prémio Nobel da Paz defendeu hoje que o Presidente russo, Vladimir Putin, enfrente um tribunal internacional como criminoso de guerra pelo “genocídio” na Ucrânia.

Navalny classifica de “vergonhosa” pena de oito anos de cadeia a opositor russo

A condenação hoje do opositor russo Ilya Yashin a oito anos e meio de prisão por criticar a ofensiva militar contra a Ucrânia é “um veredicto vergonhoso”, denunciou o também opositor Alexei Navalny.

Marcelo lembra que há vários focos de guerra e critica UE por ter estado em “autocontemplação”

O Presidente da República considerou hoje que a União Europeia esteve em “autocontemplação” e “continua a não saber encontrar maneira de se relacionar com África”, relembrando que, além da Ucrânia, há outros focos no mundo que ameaçam a paz.
Comentários