Ucrânia: Reino Unido diz que forças russas tomaram cidade de Kreminna

Numa publicação na rede social Twitter, os militares britânicos disseram que Kreminna “caiu e combates pesados são relatados ao sul de Izium, enquanto as forças russas tentam avançar para as cidades de Sloviansk e Kramatorsk, do norte e do leste”.

O Ministério da Defesa do Reino Unido avançou hoje que as forças russas tomaram a pequena cidade de Kreminna, na região de Lugansk, no leste da Ucrânia.

Numa publicação na rede social Twitter, os militares britânicos disseram que Kreminna “caiu e combates pesados são relatados ao sul de Izium, enquanto as forças russas tentam avançar para as cidades de Sloviansk e Kramatorsk, do norte e do leste”.

Há mais de uma semana que a cidade estava sob ataque, com intensos combates rua a rua que tornaram impossível a retirada de civis.

“Várias pessoas queriam fugir” de Kreminna, revelou em 18 de abril o governador regional Serhiy Haidai, na plataforma Telegram, acrescentando que quatro pessoas morreram num ataque contra um carro.

Já há dias que a Rússia tinha anunciado ter tomado Kreminna. O governo ucraniano não fez até ao momento qualquer comentário sobre a situação na cidade, que fica a cerca de 600 quilómetros a sudeste da capital ucraniana, Kiev.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A guerra causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, das quais mais de 5,16 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU – a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Recomendadas

Vladimir Putin teve cancro, diz realizador Oliver Stone

Vencedor de quatro Óscares da Academia, Oliver Stone entrevistou o presidente russo entre 2015 e 2017 e acredita que Putin tenha recuperado da doença. 

Ucrânia: EUA acabam com exceção que permitia à Rússia pagar dívida em dólares

Prevista no âmbito das drásticas sanções impostas a Moscovo devido à invasão da Ucrânia, a exceção acabará às 00:01 de quarta-feira (05:01 de Lisboa), dois dias antes do próximo prazo de pagamento da Rússia.

CEO da Microsoft destaca plataforma para ajudar a Ucrânia criada por português

Satya Nadella diz que o “Ukraine Live Aid”, para prestar apoio aos refugiados ucranianos, foi um dos trabalhos “significativos” e “muito necessários” que feitos com as Power Pages da Microsoft.
Comentários