Ucrânia rejeita qualquer tentativa de negociações com a Rússia

Zelensky procurou pôr fim aos rumores sobre a alegada pressão dos EUA sobre Kiev no sentido de negociar um acordo.

A Ucrânia rejeitou, este sábado, qualquer tentativa de negociações com a Rússia apesar de os bombardeamentos inimigos das últimas semanas terem danificado metade da rede energética do país e de se aproximar o inverno.

“Os compromissos amorais conduzirão a mais derramamento de sangue. Uma paz genuína e duradoura só pode resultar do completo desmantelamento de todos os elementos da agressão russa”, disse o Presidente ucraniano, Volodymir Zelensky, que falava para um fórum de segurança no Canadá.

Zelensky procurou pôr fim aos rumores, que se intensificaram durante a cimeira do G20, nas últimas semanas, sobre a alegada pressão dos EUA sobre Kiev no sentido de negociar um acordo.

Kiev não quer sequer ouvir falar de tréguas durante o Campeonato do Mundo de futebol do Qatar, no qual nem a Ucrânia nem a Rússia participam.

Alguns chamar-lhe-iam o fim da guerra. Mas uma tal pausa só agravaria a situação”, argumentou.
Na mesma linha, os seus conselheiros deixaram claro que a única opção é regressar às fronteiras internacionalmente reconhecidas após a queda da União Soviética.

“Haverá paz quando derrotarmos o exército russo na Ucrânia e regressarmos às fronteiras de 1991”, escreveu Andriy Yermak na sua conta na rede social Telegram.

Por seu lado, o braço direito de Zelensky, Mykhailo Podolyak, rejeitou a existência de negociações secretas entre o ocidente e a Rússia.

Entretanto, o chefe adjunto do Conselho de Segurança russo, Dmitry Medvedev, disse acreditar que os EUA, a NATO e a União Europeia “não querem romper definitivamente com a Rússia, porque isso significaria a Terceira Guerra Mundial”.

Recomendadas

Ucrânia. Sofrimento “não pode tornar-se novo normal”, diz Alto-Comissário da ONU

O Alto-Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Volker Türk, defendeu hoje em Kiev que o sofrimento em que estão milhões de civis em toda a Ucrânia “não pode tornar-se o novo normal”.

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Hungria veta ajuda à Ucrânia, forçando UE a procurar solução alternativa

Segundo o “Politico”, o veto húngaro significa ainda que as decisões sobre todos os outros assuntos na agenda dos ministros das Finanças —  incluindo uma taxa mínima de imposto corporativo, o plano de recuperação húngaro e a decisão de congelar 7,5 mil milhões de fundos da UE para a Hungria — foram adiados.
Comentários