Ucrânia: Rússia afirma ter destruído seis postos de comando com ataques aéreos

O Ministério da Defesa russo anunciou que “em resultado dos ataques aéreos, foram aniquilados mais de 210 nacionalistas, destruídas 38 unidades de armamento pesado”. Foram também destruído seis postos de comando do exército ucraniano, garantiu a mesma fonte.

Yuri Kochetkov/EPA via Lusa

O Ministério da Defesa da Rússia afirmou hoje ter destruído seis postos de comando do exército ucraniano no sábado, três dos quais com mísseis e outros três com ataques da aviação.

“Em resultado dos ataques aéreos, foram aniquilados mais de 210 nacionalistas e destruídas 38 unidades de armamento pesado”, afirmou o porta-voz do ministério, Igor Konashenkov.

Referiu ainda que foram destruídos cinco arsenais nas regiões de Donetsk e Lugansk, no leste da Ucrânia, e que as armas antiaéreas russas destruíram onze ‘drones’ ucranianos.

O Ministério da Defesa russo alega ter destruído desde o começo da invasão, em 24 de fevereiro, 174 aviões, 125 helicópteros e 997 ‘drones’ ucranianos.

Os russos reclamam ainda ter destruído 317 sistemas de mísseis antiaéreos, 3.198 tanques e blindados, 408 lançadores de foguetes, 1.622 peças de artilharia e 3.077 veículos militares.

Recomendadas

Israel abateu três drones do Hezbollah no Mediterrâneo

O exército israelita afirmou hoje que abateu três drones do grupo xiita libanês Hezbollah e que se dirigiam a um campo de gás no Mediterrâneo, numa área marítima disputada pelos dois países.

Manifestações pelo direito ao aborto reúnem milhares em França

Várias manifestações ocorreram hoje em França em defesa do direito ao aborto e para manifestar apoio às mulheres norte-americanas, depois da decisão, na semana passada, do Supremo Tribunal dos Estados Unidos, de revogar esse direito.

Marcelo parte para São Paulo ainda sem “comunicação por escrito” de Bolsonaro

O chefe de Estado português afirmou hoje, antes de partir do Rio de Janeiro para São Paulo, que continua sem receber nenhuma “comunicação por escrito” do Presidente do Brasil a cancelar o almoço de segunda-feira em Brasília.
Comentários