Ucrânia: Rússia culpa Zelensky e EUA pela morte de 50 prisioneiros ucranianos

A Rússia responsabilizou o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e os Estados Unidos da América por o ataque contra uma prisão em Donetsk, onde morreram 50 prisioneiros ucranianos.

A Rússia responsabilizou o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e os Estados Unidos da América (EUA) por o ataque contra uma prisão em Donetsk, onde morreram 50 prisioneiros ucranianos, segundo o Ministério da Defesa russo.

“Toda a responsabilidade política e moral pelo sangrento massacre contra os ucranianos recai pessoalmente sobre Zelensky, seu regime criminoso e quem o apoia, Washington”, regista o comunicado militar.

A Rússia e os separatistas pró russos dizem que o ataque contra a prisão, na localidade de Yelenovka, foi perpetrado com mísseis HIMARS, fornecidos pelos EUA ao exército ucraniano.

O porta-voz da Defesa russa, Igor Konashénkov, confirmou hoje a morte de 50 dos 193 prisioneiros ucranianos que se encontravam no estabelecimento.

“Os restos mortais de 48 militares ucranianos foram encontrados e recuperados entre os escombros. Outros dois soldados ucranianos, gravemente feridos, morreram a caminho do hospital”, precisou.

O porta-voz contou ainda 73 feridos que tiveram de ser hospitalizados com ferimentos graves. O Ministério da Defesa russo publicou também uma lista com a identidade dos 123 ucranianos, mortos e feridos, cujas idades estão compreendidas entre os 20 e os 49 anos.

Por seu lado, a Ucrânia pediu à ONU e ao Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) que enviem uma missão a Donetsk para investigar o ataque.

“O bombardeamento é um ato cínico de terrorismo por parte da Federação Russa, uma provocação militar e uma clássica operação de falsa bandeira com o propósito de ocultar crimes de guerra, desacreditar as forças armadas ucranianas e incrementar as tensões na sociedade ucraniana”, afirma num comunicado o Exército, o Ministério da Defesa, os Serviços de Segurança e a defensora do povo ucraniano.

A nota nega, mais uma vez, que Kiev esteja por de trás do ataque a Yelenovka (também conhecida como Olenivka, em ucraniano) e que o exército ucraniano disponha de “equipamento suficiente” para “identificar os seus alvos” com precisão, argumenta.

O facto de os prisioneiros terem sido transferidos para as instalações dessa localidade pouco antes do ataque, assim como a ausência de hostilidades nesse local, demonstram que se trata de uma eliminação premeditada, acrescenta o comunicado.

Os serviços de inteligência da Ucrânia responsabilizam o ataque a mercenários da companhia militar privada Wagner, que poucos dias antes tomaram uma central elétrica em Conetsk.

Os separatistas pró russos acusaram, esta sexta-feira, Kiev de atacar a prisão em que se encontravam outros prisioneiros membros do batalhão ultranacionalista Azov, para incutir medo aos seus soldados e evitar que se deixem capturar.

Recomendadas

Situação em Zaporizhzhia atingiu ponto “muito alarmante”, alerta diretor da Agência Internacional de Energia Atómica

A fábrica tem estado sob o controlo das tropas de Moscovo desde março, tendo sido mantida em funcionamento desde então por funcionários ucranianos.

Aviões militares russos cruzaram zona de defesa aérea do Alaska pelo menos três vezes esta semana

O caso mais recente ocorreu entre segunda e quarta-feira, revelou o Comando de Defesa do Espaço Aéreo Norte-Americano.

Ex-chanceler alemão processa parlamento depois de perder privilégios por ligação a Putin (com áudio)

De acordo com a lei alemã, os ex-chancelers têm direito a um cargo e a pessoal financiado pelo Estado mesmo depois de terminarem o seu mandato, mas os deputados votaram pela cessão dos seus privilégios quando Schroeder se recusou a cortar laços com Putin após a invasão da Ucrânia.
Comentários