Ucrânia. Rússia ordena retirada em Kherson naquele que poderá ser ponto de viragem na guerra

O anúncio marca um dos recuos mais significativos da Rússia desde 24 de fevereiro. A par desta ordem, o general Sergei Surovikin disse à televisão russa que não era mais possível abastecer a cidade de Kherson, propondo assumir linhas defensivas na margem leste do rio Dnipro.

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, ordenou na quarta-feira a retirada das suas tropas da margem oeste do rio Dnipro motivado pelos ataques ucranianos perto da cidade de Kherson, no sul, segundo a “France24”.

O anúncio marca um dos recuos mais significativos da Rússia e um potencial ponto de viragem na guerra que decorre desde o fim de fevereiro.

A par desta ordem, o general Sergei Surovikin, no comando geral da guerra, disse à televisão russa que não era mais possível abastecer a cidade de Kherson, propondo assumir linhas defensivas na margem leste do rio.

Também hoje foi anunciada a morte do vice-chefe da região ucraniana de Kherson, Kirill Stremousov, instalado pela Rússia.

“Kirill Sergeyevich Stremousov morreu”, disse no Telegram Sergei Aksyonov, o responsável pela Crimeia, anexada à Rússia. Aksyonov não especificou a causa da morte, mas deixou-lhe elogios, chamando-o de “verdadeiro lutador” e “patriota russo”.

Recomendadas

Ucrânia: Portugal reforça com um milhão de euros pacote da NATO de ajuda não letal

“Portugal vai dar um contributo extraordinário para o pacote de assistência abrangente, que é um pacote da NATO para apoio não letal e, portanto, que será também dedicado à reposição da capacidade energética da Ucrânia. E demos hoje a indicação que avançaremos com uma contribuição extraordinária de um milhão de euros”, anunciou.

Ucrânia: UE propõe tribunal especial para julgar “crimes horríveis” da Rússia (com áudio)

O anúncio foi feito hoje pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, numa mensagem difundida através da rede social Twitter, acompanhada de imagens vídeo da declaração.

Ucrânia teve “alguns milhares” de ciberataques este ano, diz ministro ucraniano

Mykhailo Fedorov, responsável pela pasta da Digitalização na Ucrânia, diz que os ataques informáticos acontecem diariamente e que proteger os dados da população não se mede em dólares.
Comentários