Ucrânia: ‘Site’ do Parlamento Europeu a funcionar após ciberataque de grupo pró-Kremlin

A página de internet do Parlamento Europeu voltou hoje a funcionar horas após um ciberataque cometido por um grupo pró-Kremlin, no dia em que a assembleia europeia reconheceu a Rússia como um Estado patrocinador do terrorismo.

Ao final da tarde, o ‘site’ já funcionava normalmente, depois de ter ficado inacessível por cerca de três horas, período no qual os técnicos da instituição estiveram a trabalhar para resolver o incidente, segundo fontes europeias.

A presidente da instituição, Roberta Metsola, acusou através do Twitter um grupo ligado à Presidência russa (Kremlin) de ter cometido “um ciberataque sofisticado” e respondeu escrevendo “Glória à Ucrânia”.

“O Parlamento está a ser alvo de um ciberataque sofisticado. Um grupo pró-Kremlin reivindicou a responsabilidade, [mas] os nossos peritos em tecnologias de informação estão a combatê-lo e a proteger os nossos sistemas”, referiu Roberta Metsola.

“Isto, depois de termos proclamado a Rússia como um Estado patrocinador do terrorismo”, lembrou a responsável.

E adiantou: “A minha resposta é ‘Slava Ukraini [Glória à Ucrânia]’”.

Fonte da assembleia europeia confirmou à agência Lusa o ciberataque.

O incidente surge no dia em que o Parlamento Europeu aprovou uma resolução em que reconhece a Rússia como um Estado patrocinador do terrorismo, apresentada pelo grupo político dos Conservadores e Reformistas Europeus (centro-direita).

Os eurodeputados aprovaram, na sessão plenária em Estrasburgo (França), uma resolução que denuncia como “atos de terror e crimes de guerra” os ataques de Moscovo à Ucrânia, nomeadamente a alvos e infraestruturas civis, informou a instituição em comunicado.

Assim, o Parlamento Europeu classifica a Rússia como um Estado patrocinador do terrorismo que “utiliza métodos de terrorismo”, apelando ainda à adoção de um nono pacote de sanções a Moscovo.

A resolução foi aprovada por 494 votos a favor, 58 contra e 44 abstenções.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.595 civis mortos e 10.189 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Recomendadas

Ucrânia: OSCE necessária apesar de “prejudicada” pelo conflito, diz Josep Borrell

A OSCE “foi severamente prejudicada pela agressão russa contra a Ucrânia, que viola os princípios da organização”, disse Borrell, durante uma deslocação à cidade polaca de Brzeg (sul), onde visitou um centro de treino para soldados ucranianos.

Ucrânia: Comissão Europeia quer criminalizar subversão das sanções à Rússia na UE

“A Comissão Europeia apresenta hoje uma proposta para harmonizar as infrações penais e as penas pela violação das medidas restritivas da UE [pois], embora a agressão russa à Ucrânia ainda decorra, é primordial que as medidas restritivas da UE sejam plenamente aplicadas e que a violação dessas medidas não seja compensadora”, salienta a instituição em comunicado de imprensa.

Guerra mostra que UE “não é suficientemente forte”, diz primeira-ministra da Finlândia (com áudio)

A primeira-ministra da Finlândia afirmou hoje que a Europa “não é suficientemente forte” para fazer frente a Moscovo sozinha, numa avaliação “muito honesta” das capacidades europeias na sequência da invasão russa da Ucrânia.
Comentários