Ucrânia teve “alguns milhares” de ciberataques este ano, diz ministro ucraniano

Mykhailo Fedorov, responsável pela pasta da Digitalização na Ucrânia, diz que os ataques informáticos acontecem diariamente e que proteger os dados da população não se mede em dólares.

Interfax

O ministro da Transformação Digital da Ucrânia disse esta terça-feira que a solução para manter as bases de dados da Ucrânia aquando da invasão da Rússia foi a migração dessa informação para a nuvem (cloud).

“Vemos como a tecnologia pode matar mas também como nos pode salvar. A AWS ajudou-nos e disponibilizou os aparelhos eletrónicos [snowballs] em 48 horas”, afirmou Mykhailo Fedorov, numa conferência de imprensa no evento anual da Amazon Web Services (AWS), re:Invent 2022.

Em causa estão máquinas (hardware) – que o ministro não quis quantificar por motivos de segurança – que são instaladas para migrar terabytes de dados para a cloud sem limite de capacidade de armazenamento ou potência computacional, sobretudo em zonas onde as condições de rede são limitadas.

Mykhailo Fedorov explicou que essa digitalização permite eficiência e rapidez. No caso específico destes aparelhos, utilizados para guardar, pelo menos, dois terabytes de dados, possibilitaram a proteção da informação da Ucrânia para garantir que os direitos das pessoas se mantinham na situação de apropriação de terras, segundo o ministro ucraniano.

“Queremos construir um estado mais consistente no digital (…). Claro que tudo isto custa milhões de dólares mas uma coisa vos digo: é priceless [não se mede o preço]. São infraestruturas críticas”, frisou o governante ucraniano, em declarações aos jornalistas a partir de Las Vegas, nos Estados Unidos.

Questionado sobre quantos ciberataques a Ucrânia sofre desde fevereiro de 2022, o responsável pela pasta da Digitalização da Ucrânia referiu apenas que eram “alguns milhares” é que aconteciam diariamente.

O representante do governo ucraniano aproveitou ainda a ocasião para assinar um novo acordo de cooperação com a AWS, rubricado ainda por Liam Maxwell, diretor de Transformação Digital Governamental da AWS.

Liam Maxwell lembrou como a Ucrânia trabalhou para lançar a aplicação Diia, a plataforma online dos serviços públicos ucranianos que equivale – além de vários outros serviços – à portuguesa Chave Móvel Digital. “Quando ocorreu a invasão, encontrei-me com o embaixador ucraniano em Londres para perceber que bases de dados de casa região podíamos salvaguardar”, sublinhou, no evento que decorre esta semana no Centro de Congressos do hotel Venetian.

Recomendadas

Ucrânia. Joe Biden nega envio de caças F-16 para apoiar na guerra

O presidente dos EUA deixou a garantia de que não vai enviar aquelas aeronaves de combate. Por outro lado, o presidente francês reúne hoje com o ministro da Defesa ucraniano e fez saber que não tomou ainda uma decisão.

Ucrânia: Alemanha não permitirá que guerra seja conflito entre Rússia e NATO

O chefe do governo alemão considerou tratar-se “de apoiar a Ucrânia”, de “ter um debate sério” para tomar decisões necessárias e não “uma competição [para ver] quem manda mais armas”.

Ucrânia: Secretário-geral da NATO defende mundo “interligado” pela segurança

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que o apoio da Coreia do Norte à Rússia na guerra da Ucrânia reforça a necessidade de o resto do mundo permanecer “interligado” para garantir a segurança.
Comentários