Ucrânia: UE vai apoiar mais 10.000 agricultores moçambicanos a produzir cereais

A União Europeia (UE) vai apoiar mais 10.000 agricultores moçambicanos a produzir cereais para o país enfrentar a crise alimentar mundial agravada pela guerra na Ucrânia.

A medida vai resultar de um reforço de 15 milhões de euros para o programa Promove AgriBiz hoje celebrado em Maputo.

“Estes fundos permitirão, a partir desta época agrícola, alargar o nosso atual apoio a um maior número de agricultores, ajudando-os a produzir cada vez mais e de forma mais sustentável para que possam enfrentar crises futuras e, em especial este ano, atenuar o impacto do dramático aumento dos custos de produção”, referiu Antonino Maggiore, embaixador da UE em Moçambique.

O Promove AgriBiz já apoia 22.000 agricultores e o reforço hoje anunciado representa um incremento de 45%.

O diplomata falava na cerimónia de assinatura do apoio em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e o Instituto de Cereais de Moçambique (ICM).

“Os novos fundos atribuídos ajudarão a criar a reserva alimentar estratégica, de acordo com o mandato do ICM. O objetivo é apoiar a produção de 16.000 toneladas de milho e 4.000 toneladas de feijão”, detalhou a UE, em comunicado.

A ajuda faz parte dos 23 milhões anunciados em setembro para Moçambique, como parte do pacote global de 600 milhões de euros do Fundo Europeu de Desenvolvimento para ajuda alimentar e produção nos países mais vulneráveis de África, das Caraíbas e do Pacífico (ACP).

Em Moçambique, a UE prevê que as perturbações na produção e no comércio de cereais e fertilizantes provoquem escassez e um aumento provável dos preços com um impacto negativo na segurança alimentar dos grupos mais pobres da população

A agricultura de subsistência é a principal fonte de alimentos para a maioria da população moçambicana que se estima ronde atualmente os 31,6 milhões de pessoas, cerca de metade com menos de 18 anos.

Recomendadas

Portugal “acompanha” declaração condenatória da UE sobre eleições na Guiné Equatorial

“Com a proclamação dos resultados definitivos das eleições presidenciais, legislativas e municipais pelo Tribunal Constitucional da República da Guiné Equatorial, conclui-se o processo eleitoral. A este respeito, Portugal acompanha as declarações emitidas pelas organizações que integra – CPLP e UE”, fez saber o Ministério dos Negócios Estrangeiros numa nota hoje divulgada no Portal Diplomático.

Presidente da República de São Tomé e Príncipe pede investigação e responsabilização de culpados de mortes após ataque a quartel

Após o ataque de sexta-feira da semana passada ao quartel militar, numa ação classificada como “tentativa de golpe de Estado” pelas autoridades são-tomenses, o Presidente esclareceu que as “investigações prosseguem no sentido do apuramento geral da verdade”.

Sindicato dos Jornalistas da Guiné-Bissau afirma que novas licenças são “forma civilizada” de acabar com imprensa

O Governo guineense publicou, com data de 18 de outubro, um despacho conjunto dos ministros das Finanças, Ilídio Vieira Té, e da Comunicação Social, Fernando Mendonça, no qual fixa novos valores para aquisição de alvarás para atividades de radiodifusão, televisão, jornais e filmagens no país.
Comentários