Ucrânia: Zelenski confia em “relações estreitas” com novo primeiro-ministro britânico

Em declarações ao ‘The Sunday Times’, Zelensky disse que seria uma prioridade endereçar um convite ao próximo primeiro-ministro britânico – Liz Truss ou Rishi Sunak – e admitiu que ficou preocupado quando soube que Johnson ia renunciar.

Reuters

O presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, manifestou este domingo a esperança de ter “relações estreitas” com o primeiro-ministro britânico que, na terça-feira, substituirá Boris Johnson e agradeceu-lhe o apoio dado face à guerra no seu país.

Em declarações ao ‘The Sunday Times’, Zelensky disse que seria uma prioridade endereçar um convite ao próximo primeiro-ministro britânico – Liz Truss ou Rishi Sunak – e admitiu que ficou preocupado quando soube que Johnson ia renunciar.

“Quando soubemos que haveria uma mudança de governo, todos ficamos preocupados”, admitiu, comentando a renúncia anunciada por Johnson em julho passado, mas que apenas se torna efetiva na terça-feira.

Da mesma forma, num artigo publicado no ‘Mail on Sunday’, Zelensky destacou o apoio de Johnson e da sua liderança, comentando: “o líder é aquele que comunica. O líder é aquele que faz a mediação entre um país e o seu povo, e um líder tem um impacto na sociedade”.

Em relação ao próximo líder ‘tory’ e chefe do Governo britânico, o presidente ucraniano disse confiar que a relação bilateral “esteja ao mesmo nível” da que manteve com Boris Johnson.

“Em todas e cada uma das reuniões e conversas que mantivemos, Boris fazia uma pergunta muito boa: O que mais? Do que mais precisas?”, recordou Zelensky.

“Sei que não foi fácil para Boris Johnson, pois teve de lidar com muitos desafios internos. Priorizar o apoio à Ucrânia exigiu muita coragem e determinação”, acrescentou.

Em resposta a estes elogios, Johnson agradeceu a Zelensky, na sua conta no Twitter, pelas “palavras gentis” e enfatizou que “o apoio do Reino Unido à Ucrânia e ao seu povo é inabalável”.

De igual forma, Zelensky destacou a solidariedade do Reino Unido para com o seu país e descreveu a ministra das Relações Exteriores, Liz Truss, e o ministro da Defesa, Ben Wallace, como “amigos da Ucrânia”.

Johnson anunciou sua renúncia em julho após vários membros do seu governo terem renunciado, em protesto contra a sua gestão e os escândalos que marcaram a sua liderança, nomeadamente as festas em Downing Street durante a pandemia.

O novo líder conservador será anunciado na segunda-feira, antes de, na terça-feira, ter uma audiência com a rainha Isabel II, chefe de Estado, no Castelo de Balmoral, na Escócia.

Recomendadas

Guterres manifestou a embaixador russo oposição a anexação de territórios

Antes, António Guterres alertou a Rússia que a anexação de territórios ucranianos “não terá valor jurídico e merece ser condenada”, frisando que “não pode ser conciliada com o quadro jurídico internacional”.

Ucrânia: Putin defende perante Erdogan “direito de autodeterminação” de regiões anexadas

Num contacto com homólogo turco, informou o Kremlin em comunicado, Putin sublinhou que os referendos separatistas “decorreram em condições de transparência e em plena consonância com as normas e princípios do direito internacional”.

Ucrânia: Forças ucranianas recuperam controlo de cidade de Kupiansk

Parte da zona naquela região já tinha sido retomada aos russos no início de setembro, graças à contraofensiva ucraniana na região de Kharkiv.
Comentários