Ucrânia: Zelensky “cauteloso” após anúncio da retirada russa de Kherson (com áudio)

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse na noite de hoje que o país estava a reagir com “extrema cautela” ao anúncio da retirada russa da cidade de Kherson (sul).

“O inimigo não nos dá presentes, não mostra gesto de boa vontade, devemos vencer tudo”, disse Zelensky no seu discurso noturno habitual.

“Devemos, portanto, ter extrema cautela, sem emoções, sem correr riscos desnecessários, a fim de libertar todas as nossas terras com o mínimo de perdas possível”, acrescentou.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.490 civis mortos e 9.972 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Recomendadas

NATO destaca “início horrível do inverno” na Ucrânia e promete ajuda

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), Jens Stoltenberg, admitiu hoje o “início horrível do inverno” na Ucrânia devido à escalada de ataques russos, prometendo apoio às autoridades ucranianas “o tempo que for necessário”.

Ucrânia: Europa central prevê nova vaga de refugiados e pede ajuda a Bruxelas

A República Checa, a Polónia, a Hungria e a Eslováquia preveem uma nova vaga de refugiados ucranianos depois dos últimos ataques russos e devido ao inverno, e pediram à Comissão Europeia (CE) ajuda adicional para os receberem.

Ucrânia: Kiev e Moscovo voltam a trocar prisioneiros de guerra

As autoridades da Rússia e da Ucrânia confirmaram hoje a libertação de 50 prisioneiros de guerra detidos pelas duas partes em conflito, no dia em que a invasão russa cumpre nove meses.
Comentários