Ucrânia: Zelensly denuncia à ONU “crime contra a humanidade”

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, denunciou hoje à ONU o ataque da Rússia à infraestrutura energética do país, o que classificou como um “crime contra a humanidade”.

“Com temperaturas abaixo de zero, vários milhões de pessoas sem abastecimento de energia, sem aquecimento e sem água, trata-se, obviamente, de um crime contra a humanidade”, afirmou Zelensky, que falava, por vídeo, ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, no âmbito de uma reunião de emergência que o próprio solicitou.

Novos ataques russos na Ucrânia fizeram 30 vítimas civis, entre mortos e feridos, e deixaram hoje milhões de pessoas sem eletricidade, acesso a água e aquecimento, quando se registam já temperaturas negativas nalgumas regiões, segundo as Nações Unidas.

Um balanço feito pelo Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla em inglês) indica que a escalada de ataques deixou completamente sem eletricidade regiões como Lviv, no oeste, Zaporijia e Odessa, no sul, e Chernihiv, no norte.

Os apagões estão também a afetar grandes partes das regiões centrais de Vinnytsya e Dnipro, Khmelnitsk, mais a oeste, Kharkiv e Sumi no nordeste, Mykolaiv no sul e a capital, Kiev.

Os ataques atingiram, além de infraestruturas, edifícios residenciais em Kiev e nas cidades de Chabany e Vyshhorod, nos arredores da capital, e as autoridades confirmaram que pelo menos 30 civis foram mortos ou feridos nas três localidades.

Recomendadas

Ucrânia: Alemanha garante apoio ao sector energético e entrega “mais de 350 geradores”

A Alemanha vai fornecer “mais de 350 geradores” à Ucrânia, afetada pelos ataques russos contra as suas infraestruturas de energia nas últimas semanas, divulgou hoje o porta-voz do Governo alemão.

Ucrânia: França e Eslováquia reforçam arsenal militar ucraniano

A Ucrânia anunciou hoje que recebeu sistemas de artilharia LRU oriundos da França e a Eslováquia informou que entregou 30 veículos de transporte de infantaria, para reforçar o arsenal militar que será usado contra a invasão russa.

Hungria diz que não condiciona alargamento da NATO ao envio de verbas comunitárias

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, assegurou hoje que não irá condicionar a ratificação do alargamento da NATO ao envio a Budapeste de fundos comunitários congelados por Bruxelas devido à situação do estado de Direito no país.
Comentários