UE aprova extensão das sanções económicas à Rússia por mais seis meses

Os líderes da União Europeia (UE) aprovaram hoje a extensão, por seis meses, das sanções económicas contra a Rússia devido à sua participação no conflito ucraniano, anunciou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

A UE está unida na renovação das sanções económicas contra a Rússia”, escreveu Tusk na rede social Twitter.

A decisão, tomada durante a cimeira de hoje em Bruxelas, ainda deve ser adotada oficialmente pelos 28 países da União Europeia, provavelmente na próxima semana, de acordo com um porta-voz da Estónia, país que assegura a presidência rotativa da UE até ao final de dezembro.

As sanções afetam os bancos russos, empresas ligadas ao setor da defesa, companhias de petróleo e proíbem os europeus de fazer investimentos financeiros na Rússia.

Essas sanções foram decididas no verão de 2014, no auge da crise na Ucrânia, alguns meses após a anexação da Crimeia pela Rússia, seguida da ofensiva dos rebeldes pró-russos no leste da Ucrânia.

Moscovo respondeu decretando um embargo sobre produtos agrícolas europeus.

O conflito, que recentemente voltou a subir de tensão, já provocou a morte de mais de 10 mil pessoas, apesar do acordo alcançado em Minsk, em 2015, que supostamente estabelecia uma trégua.

A Ucrânia e os países ocidentais acusam a Rússia de apoiar os rebeldes separatistas no leste ucraniano, inclusive fornecendo-lhes armas, o que Moscovo sempre negou categoricamente.

As sanções estão a ser prorrogadas por períodos de seis meses, o que acontecerá novamente agora, de acordo com uma fonte diplomática.

Recomendadas

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários