UE aprova verba de 15 milhões para apoiar missão militar em Moçambique

A União Europeia (UE) aprovou hoje a disponibilização de 15 milhões de euros para apoiar militarmente a missão da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) a Moçambique (SAMIM), coincidindo com a vista de Borrell a Maputo.

A verba foi aprovada pelo Comité Político e de Segurança (CPS) da UE depois do aval do Conselho, em abril, a um programa geral de apoio à União Africana em 2022-2024 ao abrigo do Mecanismo Europeu de Apoio à Paz.

Os 15 milhões de euros, segundo um comunicado, irão financiar a componente militar da SAMIM, nomeadamente fortificações de campo e contentores de armazenamento, equipamento médico, veículos e barcos, assim como dispositivos tecnológicos.

Esta parcela complementa uma verba de 89 milhões de euros de financiamento às forças armadas de Moçambique destinada a equipar as unidades que são treinadas pela missão da UE no país.

O chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, inicia hoje uma visita de dois dias a Moçambique, em que vai reunir-se com o Presidente, Filipe Nyusi, e entregar equipamento não bélico para apoiar o combate antiterrorista em Cabo Delgado.

O Comité Político e de Segurança é responsável pela política externa e de segurança comum e pela política comum de segurança e defesa da UE.

Recomendadas

Enviado da ONU quer garantir “boa tradição de democracia e diálogo” nas eleições de São Tomé

“Vim para recolher informações, porque, como sabem, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, segue com bastante atenção a evolução da situação política deste país e emitiu um comunicado em que felicitou o povo são-tomense pela sua maturidade política”, disse Abdou Abarry, o novo representante especial para da ONU para a África Central.

Cabo Verde vai alargar pensão social a três mil idosos sem rendimentos

Atualmente, o regime de pensão social em Cabo Verde, no valor de 6.000 escudos mensais (55 euros), abrange 22.680 pensionistas, representando um encargo total anual para o Estado de quase 1.633 milhões de escudos (14,7 milhões de euros).

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.
Comentários