UE condena “uso generalizado e desproporcionado da força” no Irão

De acordo com o balanço oficial, 41 pessoas morreram em nove dias de protestos. O número poderá ser mais elevado, tendo a ONG Iran Human Rights, com sede em Oslo, reportado pelo menos 54 manifestantes mortos.

A União Europeia (UE) afirmou este domingo que o “uso generalizado e desproporcionado da força” contra manifestantes no Irão é “injustificável e inaceitável”, após nove dias de protestos contra a morte de uma jovem detida pela polícia da moralidade.

No seguimento dos confrontos resultantes destes protestos, 41 pessoas morreram.

Numa declaração em nome da UE, o chefe diplomático da União, Josep Borrell, também condenou “a decisão das autoridades iranianas de restringir drasticamente o acesso à internet e de bloquear as plataformas de mensagens instantâneas”, o que “constitui uma violação flagrante da liberdade de expressão”.

“A União Europeia continuará a examinar todas as opções à sua disposição, antes do próximo Conselho (de ministros dos Negócios Estrangeiros), à luz da morte de Mahsa Amini e da forma como as forças de segurança iranianas responderam às manifestações que se seguiram”, advertiu Borrell, sem especificar.

Os protestos começaram a 16 de setembro, no dia em que Mahsa Amini, que foi presa a 13 de setembro em Teerão por “usar vestuário inadequado” na República Islâmica, onde o código de vestuário para as mulheres é rigoroso, morreu.

“Esperamos que o Irão acabe imediatamente com a repressão violenta dos protestos e permita o acesso à Internet e o livre fluxo de informação”, acrescentou o responsável máximo da UE pela política externa.

Também apelou a Teerão para “esclarecer o número de mortos e pessoas presas, para libertar todos os manifestantes não-violentos”.

“A morte de Mahsa Amini deve ser devidamente investigada e quaisquer perpetradores comprovados devem ser responsabilizados”, disse, tomando “nota a este respeito da declaração do Presidente iraniano”, Ebrahim Raissi.

De acordo com o balanço oficial, 41 pessoas morreram em nove dias de protestos. O número poderá ser mais elevado, tendo a ONG Iran Human Rights, com sede em Oslo, reportado pelo menos 54 manifestantes mortos.

Mahsa Amini, de 22 anos, foi detida pela chamada “polícia de moralidade” de Teerão, capital do Irão, onde se encontrava de visita, por alegadamente trazer o véu de forma incorreta e transferida para uma esquadra com o objetivo de assistir a “uma hora de reeducação”.

A jovem acabou por entrar em coma e morrer dias depois no hospital.

Recomendadas

Diplomatas norte-americanos advertem Biden contra ultradireita israelita

Dois diplomatas históricos dos Estados Unidos advertem a administração Biden que deve defender-se de um eventual excesso de apoio ao próximo governo israelita, onde com certeza pontificarão partidos da extrema-direira religiosa.

Orban acusa UE de bloquear fundos à Hungria por “razões políticas”

Na quarta-feira, a Comissão Europeia tinha recomendado o congelamento de mais de 13 mil milhões de euros de fundos europeus destinados à Hungria, em resposta aos problemas de corrupção identificados neste país.

Portugal “acompanha” declaração condenatória da UE sobre eleições na Guiné Equatorial

“Com a proclamação dos resultados definitivos das eleições presidenciais, legislativas e municipais pelo Tribunal Constitucional da República da Guiné Equatorial, conclui-se o processo eleitoral. A este respeito, Portugal acompanha as declarações emitidas pelas organizações que integra – CPLP e UE”, fez saber o Ministério dos Negócios Estrangeiros numa nota hoje divulgada no Portal Diplomático.
Comentários