UE impõe testes de condução real para novos modelos em 2017

Os 28 Estados-membros da União Europeia (UE) aprovaram, por larga maioria, o segundo pacote de futuras medidas para introduzir testes às emissões resultantes em condução real de automóveis a gasóleo, informou a Comissão Europeia. No comité técnico de veículos automóveis, os países acordaram que, a partir de setembro de 2017, os testes em condições reais […]

Os 28 Estados-membros da União Europeia (UE) aprovaram, por larga maioria, o segundo pacote de futuras medidas para introduzir testes às emissões resultantes em condução real de automóveis a gasóleo, informou a Comissão Europeia.

No comité técnico de veículos automóveis, os países acordaram que, a partir de setembro de 2017, os testes em condições reais de condução determinem a aprovação da comercialização de um novo modelo. A partir de 2019, as regras devem ser aplicadas a todas as viaturas novas.

A comissária responsável pelo Mercado Interno e Indústria, Elzbieta Bienkowska, sublinhou que o espaço comunitário tornou-se na “primeira e única região do mundo a impor testes robustos”.

“E este não é o fim da história. Iremos complementar este passo importante com a revisão do quadro regulamentar sobre a homologação e supervisão de veículos automóveis no mercado”, afirmou a responsável, informando que Bruxelas está a recolher vários pontos de vista sobre a matéria.

Os 28 também concordaram que os fabricantes devem reduzir a discrepância entre o limite regulamentar testado nos laboratórios e os valores da condução real.

OJE

Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.