UE lança coligação para a criação de competências e emprego na área digital

A Comissão Europeia lança hoje a Coligação para a criação de competências e emprego na área digital. Iniciativa pretende satisfazer a elevada procura de competências digitais na Europa, sobretudo no mercado de trabalho.

REUTERS / Dado Ruvic

A Coligação para a criação de competências e emprego na área digital é uma das dez principais iniciativas propostas pela Comissão Europeia (CE) no âmbito da Nova Agenda de Competências para a Europa, apresentada em junho último.

Hoje, um conjunto de parceiros, incluindo mais de 30 organizações e grupos como a European Digital SME Alliance (Aliança Europeia das PME digitais), o Instituto de Investigação Económica e Social (ESRI), SAP, a Carta Europeia de Condução Informática (CECI) e a Google comprometem-se a reduzir em maior grau o défice de competências digitais no quadro da Coligação para a criação de competências e emprego na área digital.

De acordo com a CE, os membros da Coligação comprometem-se a colmatar as lacunas em matéria de competências a todos os níveis, desde as competências especializadas de alto nível no domínio informático até às competências necessárias a todos os cidadãos europeus para viverem, trabalharem e participarem numa economia e sociedade digitais. 

“A falta de competências digitais trava a inovação e o crescimento na Europa. Não só para as empresas do setor das TIC, como para as organizações em todos os setores — privado e público. Temos de eliminar este obstáculo, a fim de garantir que os europeus obtenham os empregos que merecem e as nossas empresas tenham acesso a uma reserva alargada de talentos no domínio digital”, explica Günther H. Oettinger, Comissário da Economia e Sociedade Digitais.

A Europa tem falta de pessoas com competências em tecnologias digitais para preencher as vagas de emprego em todos os setores, situação essa que poderá levar a que não sejam preenchidos até 750 mil postos de trabalho especializados no setor das tecnologias da informação e da comunicação (TIC) até 2020. Não obstante, a taxa de desemprego dos jovens entre os 15 e os 24 anos atinge quase 20 % na UE. Mais de um terço da população ativa e, de um modo mais geral, cerca de 45 % dos cidadãos europeus possui apenas competências digitais básicas.

A nova Coligação baseia-se nos trabalhos realizados pela Grande Coligação para a Criação de Empregos na Área Digital, pela campanha eSkills for Jobs e pela estratégia Educação e Formação 2020. Desde 2013, a Grande Coligação permitiu assegurar a formação de mais de 2 milhões de pessoas no domínio das competências digitais, através de mais de 80 organizações de apoio, e conduziu à criação de 13 coligações de competências digitais a nível nacional nos Estados-Membros.

Recomendadas

Portugal sobe duas posições no Ranking Mundial de Talento e é agora o 24.º mais competitivo

Portugal melhora sobretudo na Investigação & Desenvolvimento e na Preparação. O podium mundial é liderado pela Suíça, Suécia e Islândia, as três economias mais competitivas em talento a nível mundial entre os 63 países analisados pela escola de negócios IMD.

António Costa: Ambiente+Simples ajuda investimento nas renováveis

O primeiro-ministro afirmou que a desburocratização e a digitalização da administração pública é fundamental para reduzir custos e facilitar o investimento nas renováveis.

Presidente do Peru detido após ser destituído e acusado de golpe de Estado

Pedro Castillo foi detido e está na sede da polícia de Lima, depois de ter sido destituído pelo Congresso, acusado de tentar executar um golpe de Estado ao anunciar a sua dissolução.
Comentários