UE pede à Turquia que se abstenha de realizar intervenção militar na Síria

A alta representante da União Europeia para os Assuntos Externos pediu este sábado à Turquia que se abstenha de realizar uma intervenção militar na região de Manbech, no norte da Síria.

“As declarações de uma possível operação militar turca no noroeste da Síria são uma fonte de preocupação”, disse, em comunicado, Federica Mogherini.

A dirigente italiana acrescentou que a União Europeia espera que as autoridades turcas “se abstenham de adotar qualquer ação unilateral que possa [interferir] nos esforços de coligação internacional contra o (grupo) Estado Islâmico ou gerar mais instabilidade na Síria”.

Para Federica Mogherini, “dado que a luta contra o Estado Islâmico está a entrar na fase final, todas as partes devem trabalhar no objetivo de garantir a sua próxima derrota”.

A chefe da diplomacia da União Europeia acrescentou ainda que uma solução “aceitável” para Ancara e Washington no norte da Síria deveria “abordar as preocupações de segurança da Turquia sem prejudicar a campanha contra o Estado Islâmico”.

Recomendadas

Ucrânia: Sistema energético estabilizado após dias sem luz devido a ataques russos

A invasão foi condenada pela comunidade internacional, que respondeu, com destaque para a União Europeia e os Estados Unidos, com ajuda militar, humanitária e económica a Kiev e a imposição de sanções económicas e políticas sem precedentes a Moscovo.

Ucrânia: Rússia anuncia morte de “uma centena de mercenários estrangeiros” em Donetsk

“Até 100 mercenários estrangeiros e seis veículos blindados foram destruídos na área de Chasiv Yar em resultado de um ataque com armas de alta precisão das forças aeroespaciais russas nos locais temporários de treino dos chamados milicianos da Legião Estrangeira”, declarou o porta-voz do exército russo, general Igor Konashenkov.

Exército são-tomense vai investigar alegadas agressões a detidos mortos após ataque ao quartel

“O quartel de Morro foi deliberadamente atacado e reagimos, em defesa legítima, na defesa do Estado de Direito, da democracia e em respeito do direito de todos”, declarou o brigadeiro Olinto Paquete, em conferência de imprensa hoje de manhã em São Tomé, sobre o assalto ao quartel militar, na madrugada de sexta-feira, em que morreram três dos quatro atacantes e um suspeito.
Comentários