UE prevê que exportações de azeite português aumentem a um ritmo de 9% ao ano até 2031

“Outlook Agrícola da UE” assinala evolução de Portugal “que passou de ser um importador líquido [de azeite] para ter uma posição exportadora líquida”, que deverá manter-se nos próximos anos.

A União Europeia prevê que as exportações líquidas de azeite português possam crescer a um ritmo anual de 9%, nos próximos 10 anos, muito apoiadas nas vendas para o mercado brasileiro, melhorando a posição relativa do país no mercado internacional.

No “Outlook Agrícola da UE para Mercados, Rendimento e Ambiente 2021-2031”, a Comissão Europeia refere que espera um aumento anual da produção de azeitona em Portugal, Itália e Espanha, no período em análise, a uma taxa entre 2,5% e 5%, não só através de ganhos de produtividade, mas também da área de cultivo.

A Grécia, outro produtor relevante, pelo contrário, deverá registar uma quebra.

Os autores do documento notam que, no quadro da pandemia de Covid-19, o sector foi afetado por falta de mão-de-obra, “especialmente nos sistemas menos mecanizados”, e avisam que, olhando para a frente, doenças como a Xylella Fastidiosa e eventos climáticos extremos constituem riscos para as projeções feitas.

Cumprindo-se os cenários previstos, “em 2031, Portugal e Espanha deverão melhorar a

posição líquida como exportadores (face à média do período 2016-2020)”.

A Comissão Europeia prevê que as exportações líquidas de Portugal cresçam a um ritmo médio anual de 9%, triplicando o passo de expansão projetado para Espanha.

Entre os exportadores de azeite, a Grécia deverá manter a posição relativa, enquanto Itália verá reduzida a sua dependência de azeite do estrangeiro, “devido ao aumento de sua produção em quase 3%, em 2031, em comparação com o período de referência 2016-2020”.

As exportações de azeite de mesa deverão crescer a um ritmo entre 1% e 2%.

O documento refere diretamente Portugal, apontando que, “olhando para o período 2006-2031, observa-se uma mudança estrutural na posição comercial líquida de Portugal, que passou de ser um importador líquido [de azeite] para ter uma posição exportadora líquida, que provavelmente se manterá nos próximos anos, sustentada pela procura no Brasil”.

O relatório aponta que as exportações portuguesas para o Brasil, tal como as de Espanha, têm mostrado “potencial de crescimento”.

Aponta, também, que a procura emergente na região da Ásia-Pacífico será um dos catalisadores do crescimento das exportações, que não deverão ser afetadas pela concorrência criada pela recente expansão dos olivais no hemisfério sul.

Relacionadas

O que é que se produz mesmo em Portugal? Portugueses respondem a Trevor Noah

“Azeite, cortiça, algum dos melhores vinhos do mundo, comida excelente, sapatos, roupa, e mesmo tábuas de corte para o Jamie Oliver. Além disso, muitos chefs Michelin têm aqui os seus restaurante”, escreve um utilizador em resposta ao comediante Trevor Noah.

Investimento e tecnologia são motores do crescimento

Expansão do sector é notória, particularmente nas exportações, que mais do que triplicaram nas duas últimas décadas. O próximo desafio é o da sustentabilidade, com o esperado apoio de fundos europeus.

Ano de muito azeite na região Centro mas em geral com menos qualidade

A presidente da Associação de Olivicultores da Serra de Sicó (OLIVISICÓ), Isabel Guiomar, admitiu que “a rendibilidade do fruto é este ano um bocadinho inferior” e que a qualidade em geral “também baixou um pouco”.
Recomendadas

Energia? Agricultura conta com 90 milhões de euros em apoios desde 2021

O secretário de Estado da Energia, João Galamba, assegurou este domingo que o sector agrícola dispõe, em matéria de energia, de um “balão de oxigénio” de 90 milhões de euros, distribuídos em dois anos.

Ministra da Agricultura: direções regionais não vão ser extintas

Maria do Céu Antunes esclareceu que as direções regionais de agricultura não vão ser extintas no âmbito da transferência de competências para as comissões de coordenação e desenvolvimento regional.

Seca: Barragem de Mirandela está a perder a pouca água que tem para regadio

O presidente da Associação de Beneficiários do Perímetro de Rega de Vale Madeiro, Emanuel Batista, disse hoje que a barragem de regadio do distrito de Bragança em situação mais crítica está a perder a pouca água que tem.
Comentários