UE quer forçar bancos estrangeiros a ter mais capital

As novas regras destinam-se a simplificar o processo de liquidação e garantir que os governos da UE não terão de suportar as responsabilidades financeiras no caso de falência de um banco estrangeiro.

A União Europeia (EU) vai propor, esta semana, novas regras que exigem que os bancos de países externos à UE detenham mais capital e liquidez dentro do bloco, uma medida que se assemelha ao que acontece nos EUA, e se destina a reforçar a regulação dos bancos internacionais, informa o Financial Times.

As regras, que fazem parte de um conjunto de legislação para o setor financeiro e que serão apresentadas esta quarta-feira pela Comissão Europeia, destinam-se a simplificar o processo de liquidação de um banco e garantir que os governos da UE não terão de suportar as responsabilidades financeiras no caso de falência de um grande banco estrangeiro.

As novas regras vão aplicar-se a bancos que tenham sido identificados pelos reguladores como significativos para o sistema financeiro e aqueles com ativos em dois ou mais países da UE de pelo menos 30 mil milhões de euros, diz o Financial Times.

As regras exigem que alguns grandes bancos dos EUA e outros bancos fora da EU, incluindo os bancos do Reino Unido após o Brexit, se reestruturem para que não detenham todo o capital fora da UE.

As propostas têm de ser aceites tanto pelos governos da UE como pelo Parlamento Europeu, podendo ser rejeitadas ou alteradas. Este processo pode demorar mais de um ano.

Recomendadas

Caixa realiza Simulacro anual no edifício Sede

“O exercício teve a participação de 3 mil pessoas que se encontravam no edifício à hora do simulacro”, diz a CGD.  

Baluarte distinguida pela CFI como “Best Investment Management Team para Portugal”

A sociedade liderada por Pedro Silveira Assis “cumpriu os requisitos de acesso e apresentou (de acordo com o método ScorePME) um Índice de Desempenho e Solidez Financeira (IDS) Excelente, evidenciando uma Sustentabilidade Financeira acessível apenas a 5% das PME nacionais”, refere a Baluarte em comunicado.

BPI eleito “Banco do Ano 2022” pela revista The Banker

“O BPI tem a liquidez e o capital para continuar a apoiar a economia, a transição para a descarbonização, sem nunca esquecer o nosso compromisso com a banca responsável, num ambiente económico que requer um apoio especial aos mais vulneráveis”, refere o CEO.
Comentários