UGT perde 43 mil sindicalizados em nove anos

Carlos Silva deixa este domingo a liderança da central sindical com 435 mil trabalhadores sindicalizados, uma descida de 43 mil face a 2013, quando assumiu o cargo de secretário-geral.

A UGT perdeu 43 mil sindicalizados nos últimos nove anos, perante a forte redução do emprego no sector financeiro e das sucessivas crises que se viveram em Portugal, avança o jornal “Público” este sábado, citando o relatório que o secretariado nacional leva ao XIV Congresso da UGT que decorrerá neste fim de semana em Santarém e onde será eleito o novo secretário-geral.

De acordo com o relatório, Carlos Silva deixa a central sindical com 435 mil trabalhadores sindicalizados, uma descida de 43 mil face a 2013, quando assumiu a liderança da UGT. O lugar vai agora ser ocupado por Mário Mourão, presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Setor Financeiro de Portugal (SBN).

Carlos Silva reconhece ao jornal que estes números lhe causam “desconforto”, mas recorda que a redução do número de sindicalizados afeta todo o movimento sindical europeu, não sendo um problema exclusivo de Portugal. Já Mário Mourão, que deverá ser confirmado como o novo secretário-geral da UGT no domingo, diz que tem como objetivo “revitalizar a sindicalização” .

 

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Aplicação da Too Good To Go evitou que mais de um milhão de refeições fossem para o lixo em Portugal

A ‘app’ de combate ao desperdício alimentar tem mais de 980 mil utilizadores em Portugal. O objetivo é chegar aos 1,3 milhões ainda este ano, revelou esta quarta-feira a CEO e a diretora de marketing na Península Ibérica. Sabe a diferença entre “consumir até” e “consumir de preferência antes de”?

‘Monkeypox’. Identificados mais de 20 casos suspeitos de infeção pelo vírus em Portugal

Os casos de varíola dos macacos estão todos localizados na região de Lisboa e Vale do Tejo e são na sua maioria jovens do sexo masculino.
Comentários