Um fator de diferenciação chamado LL.M.

A perspetiva abrangente do Direito e do seu posicionamento estratégico e a exposição ao ambiente internacional são mais valias reconhecidas quer pelo candidato quer pelas sociedades.

Saiu diretamente da licenciatura para o LL.M. Law in a Digital Economy, que se veio a revelar a experiência mais marcante do seu percurso académico. Foi aí que Ana Rita Santos consolidou a sua opção de seguir pela via da advocacia.

“Todo o ano em que estudei na Católica Global School of Law, num ambiente tão internacional e tão dinâmico, foi fundamental em moldar-me enquanto profissional e também às minhas perspetivas de carreira”, conta ao Jornal Económico. O programa, diz, permitiu-lhe especialmente “desenvolver uma perspetiva abrangente do Direito e do seu posicionamento estratégico na economia mundial e na inovação”.

Ana Rita Santos integrou a primeira turma do LL.M. Law in a Digital Economy. Hoje, é advogada estagiária na DLA Piper ABBC, nascida da integração, em 2017, da portuguesa ABBC, com a sociedade de advogados global DLA Piper, presente em mais de 40 países.

“Tive o privilégio — explica — de ser das primeiras pessoas a, durante um ano, ser desafiada a pensar o Direito como ele é, como se relaciona com o que o rodeia, e como irá evoluir para acompanhar um mundo em constante evolução – essencialmente, é esta forma de pensar que levo comigo, e que acredito que continuará a ter um forte papel no meu desenvolvimento profissional.”

O LL.M. Law in a Digital Economy, lançado em 2020/2021 pela Católica Global School of Law, dirige-se a recém-licenciados em Direito e jovens advogados que procuram um programa desafiante e interdisciplinar sobre direito e tecnologia. Justamente o que Ana Rita Santos diz ter encontrado: “Num mundo em que a tecnologia e os negócios avançam a uma velocidade avassaladora, senti que o currículo se encontrava a todo o momento a par do estado da arte, e que havia uma grande preocupação em preparar os alunos para uma carreira jurídica do séc.XXI”.

Na opinião da jovem advogada, o plano de estudos primou pela “inovação” e pela “flexibilidade”, permitindo aprofundar temas como Big Data eBlockchain. Destaca a oferta de “skills seminars” não jurídicos, “mas imensamente relevantes”, como “Negotiation” ou “Strategic Decision-Making for Lawyers”, bem como o pré-LL.M. Bootcamp no Instituto Superior Técnico.

O Law in a Digital Economy é o terceiro programa de LL.M. lancado pela Católica Global School of Law. Faz o cruzamento entre o Direito e a Tecnologia e vai agora para a sua terceira edição, “com uma procura sempre crescente”, segundo nos diz Tito Rendas, diretor executivo da Escola. “Além destas três grandes áreas de especialização, no próximo ano académico vamos desenvolver e agregar a nossa oferta noutras áreas do Direito, permitindo aos alunos a obtenção de “minors”, por exemplo, em Human Rights e Sports Law, promovendo ainda maior diferenciação no currículo de cada um”, adianta. O novo seminário intensivo em Data Science for Lawyers será lecionado em janeiro e, à semelhança dos outros “skills seminars” integra o plano curricular dos três programas de LL.M. da Escola, que inclui Law in a European and Global Context e International Business Law.

“A aposta neste tipo de oferta formativa – explica o diretor Executivo da Católica Global School of Law – visa responder à crescente procura do mercado por advogados dotados não apenas de sólidos conhecimentos jurídicos, mas também de competências que extravasam o domínio estrito do Direito e que são essenciais ao sucesso de qualquer profissional – os chamados soft skills”. O objetivo fundamental deste seminário em particular – que terá a duração de 18 horas – é dar aos alunos “a capacidade de desenvolver, interpretar e compreender análises de dados com relevância jurídica, tanto quantitativas, como qualitativas”.

Um LL.M. é indiscutivelmente um factor diferenciador num curriculum. Ao JE a Vieira de Almeida (VdA)fala numa importância “significativa”, dado que “traduz uma exposição a um ambiente jurídico internacional”, relevante para “o acompanhamento de assuntos complexos que exijam uma visão ampliada sobre o Direito’’.

Na perspetiva desta prestigiada sociedade de advogados, a especialização permite dominar de forma mais aprofundada áreas específicas do Direito, e esse conhecimento qualificado é essencial para o acompanhamento dos assuntos dos clientes. “Permite dar uma resposta de maior valor acrescentado e inovadora às questões jurídicas complexas com que os clientes se defrontam, e antecipar melhor os desafios que essas questões poderão vir a suscitar no futuro”.

Num colaborador que tenha LLM, a VdA procura, “antes de mais, um conhecimento reforçado em determinadas áreas específicas do Direito mas, também, a visão ampliada que o LL.M proporciona pela exposição a um ambiente internacional”.

Recomendadas

Covid-19: Madeira registou 4.940 casos positivos e 35 mortes

A média de internamentos ficou em 51.

Ucrânia: responsável da Amnistia Internacional em Kiev demite-se criticando organização

O representante da Amnistia Internacional anunciou a sua demissão alegando que um relatório da organização a acusar as forças armadas ucranianas de colocarem civis em perigo serviu involuntariamente de “propaganda russa”.

Portugal registou 21.302 novos casos de Covid-19 e 66 mortes na última semana

Entre 26 de julho e 5 de agosto, registou-se uma descida no número de casos positivos por Covid-19 (7.536) e morreram menos nove pessoas quando comparado com a semana anterior, revelou a DGS.
Comentários