“Um governo com maioria absoluta não quer dizer um governo sem problemas”, considera PR

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado que um governo com maioria absoluta não é um governo sem problemas, já que estes existem na sociedade e são colocados ao executivo para serem resolvidos.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado que um governo com maioria absoluta não é um governo sem problemas, já que estes existem na sociedade e são colocados ao executivo para serem resolvidos.

A posição de Marcelo Rebelo de Sousa foi transmitida sábado, em declarações aos jornalistas, na Feira do Livro de Lisboa, quando questionado sobre as polémicas em torno do Governo, tendo em conta o resultado eleitoral alcançado.

“Um governo com maioria absoluta não quer dizer um governo sem problemas. O Governo tem maioria absoluta no parlamento, mas depois existe a sociedade, e a sociedade tem problemas”, disse o chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa reiterou que já houve “várias maiorias absolutas e o facto de haver maioria absoluta não significa que a sociedade não tenha problemas que se colocam, também, às maiorias absolutas para serem resolvidos”.

Questionado sobre as declarações do coordenador da comissão de acompanhamento da resposta de urgência em obstetrícia, que considerou que a falta de especialistas nos hospitais públicos pode obrigar ao encerramento de maternidades, Marcelo Rebelo de Sousa disse preferir “que houvesse uma visão global sobre a matéria, uma vez que, porventura, o que é preciso fazer são várias coisas ao mesmo tempo”.

O Presidente da República considera que, por um lado, é preciso introduzir alterações orgânicas, e, por outro, olhar para o número e distribuição dos especialistas.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Parlamento debate sexta-feira escassez e fixação de professores

Chega, PCP e BE que dão avaliação negativa ao arranque do ano letivo, pretendem arranjar soluções para problemas de “fundo” na carreira docente, e partilham a sua visão com o Jornal Económico.

PSD acusa Governo de propor “estagnação de salários”, PM defende “máxima cautela”

O PSD acusou hoje o Governo de propor aos privados uma “estagnação de salários” para os próximos quatro anos, com o primeiro-ministro a recomendar “máxima cautela” para evitar uma espiral inflacionista de que “ninguém sabe sair”.
Comentários