Um novo capítulo para o desenvolvimento económico e social do mundo rural

O estudo “O mundo rural e o desenvolvimento económico e social de Portugal: uma agenda para o futuro”, apresentado na semana passada pela EY-AM&A, na Casa do concelho de Idanha a-Nova (Lisboa), preconiza um renovado olhar sobre a ruralidade portuguesa.

Nacho Doce/Reuters

Assume a importância do enaltecimento do que é distintivo no mundo rural e não a ambição de comparação aos padrões urbanos, apostando antes no diálogo entre estas realidades territoriais para a promoção da coesão e competitividade económica e social.

A velha classificação urbano rural dos territórios portugueses tornou-se simplificadora face à complexificação das dinâmicas territoriais, onde as realidades puramente urbanas ou rurais são cada vez menos frequentes. São visíveis nuances e singularidades territoriais que invalidam a rígida lógica de classificação, que aloca ao litoral o mundo urbano e ao interior o mundo rural.

As tipologias territoriais definidas no estudo trazem uma nova coerência, harmonizando os territórios urbanos e aprofundando os rurais. A diversidade do mundo rural é evidente, distinguindo-se territórios rurais – estruturados pelo capital natural ou pelas atividades primárias – e híbridos com marca rural – impulsionados por serviços, por atividades industriais, ou pelo comércio. Agrupam se concelhos separados geograficamente, mas que partilham uma matriz comum de vocações e potencialidades.

O mundo rural é-o “por que sim”, com valor por si e em si, pautado por múltiplas e disruptivas possibilidades de afirmação, visto como espaço de oportunidades de desenvolvimento económico, social, cultural e ambiental, que cria um crescente interesse de empresários e empreendedores – cientes do seu valor acrescentado – e de pessoas – que procuram novos modos de vida e experiências apenas aqui alcançáveis.

O mundo rural enfrenta diversos desafios, sendo na diversidade das frentes de atuação de cada tipologia territorial, que estão os mais eficientes mecanismos de afirmação. As alavancas para a valorização do mundo rural incluem a identidade e os recursos endógenos (para povoar e atrair pessoas); a inovação e produção (para criar riqueza e atrair empresas e investimento); o turismo, a cultura e o património (como meio de internacionalização e plataforma avançada de consumo) e a sustentabilidade ambiental (para preservação e valorização do capital natural).

A reflexão expõe temas cruciais para as estratégias de desenvolvimento rural, destacando-se o povoamento sem massificação, a determinação do nível ótimo de densificação (populacional e económica) na baixa densidade, a complexidade dos territórios híbridos, o turismo em espaço rural, a remuneração pelos serviços públicos ambientais e a terciarização especializada como fator de atratividade. Também relevante na prossecução desta agenda de futuro será a criação de uma “entidade” representativa do mundo rural em Portugal, onde se reúna um fórum permanente e sistemático de pensamento sobre estas problemáticas.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Desenvolvimento da Biotecnologia em Portugal

A biotecnologia explora processos celulares e biomoleculares para desenvolver tecnologias e produtos que ajudam a melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Canábis medicinal: um cluster emergente em Portugal?

Portugal está no radar do investimento mundial na cadeia de valor da canábis medicinal, possuindo excelentes condições para se tornar um hub europeu nesta indústria.

ESG no imobiliário: o que as organizações devem considerar

Nas maiores empresas, esta abordagem de integração estratégica está a ser encarada como um imperativo de negócio para criar valor a longo prazo.
Comentários