Um projecto e uma equipa com vontade de trabalhar

É preciso assumir que na política madeirense existe uma necessidade de renovação de caras, de sangue novo e vontade redobrada na defesa das suas convicções. Isto passa por todos os quadrantes políticos. Deve haver uma aposta no mérito ao escolher e promover os melhores para estarem na linha da frente na defesa e construção de um futuro que nunca acaba, pois existe sempre algo mais a fazer, a idealizar e concretizar.

Uma unidade hospitalar no Porto Santo será realidade e está inscrita no Orçamento Regional de 2021. Não posso começar a abordar as autárquicas do próximo ano sem antes recordar o primeiro artigo no Jornal Económico (“Porto Santo 2030”) onde levantei questões sobre o tipo de turismo que pretendemos na ilha do Porto Santo e a capacidade dos cuidados de saúde oferecidos, quer para quem visita mas também para a população residente. Desta maneira damos um enorme salto qualitativo com um investimento desejado pelos profissionais da saúde e pela população do Porto Santo.

O próximo ano será marcado, num primeiro momento, pelas eleições à Presidência da República e depois do verão pelas eleições autárquicas. São estas últimas que suscitam maior interesse. O motivo é óbvio e fácil de explicar pois são as eleições que definem quem lidera o sítio onde crescemos ou escolhemos como casa para viver. São eleições que nos dizem muito e diria até que são eleições muito pessoais na medida em que uma junta de freguesia ou um executivo camarário estão na linha da frente para o desenvolvimento de cada concelho, mas também na reivindicação de mais e melhor junto do governo regional. Cada um tem a sua ideia de desenvolvimento para o seu concelho e a conjugação entre a equipa e os projectos apresentados define a vitória para uns e a derrota para outros.

Não existe a equipa nem o candidato perfeito mas existem questões como a atitude e a vontade de levar um projecto a bom porto que fazem toda a diferença. É preciso assumir que na política madeirense existe uma necessidade de renovação de caras, de sangue novo e vontade redobrada na defesa das suas convicções. Isto passa por todos os quadrantes políticos. Deve haver uma aposta no mérito ao escolher e promover os melhores para estarem na linha da frente na defesa e construção de um futuro que nunca acaba, pois existe sempre algo mais a fazer, a idealizar e concretizar. É necessário que exista uma noção de exigência máxima no exercício de funções e aquilo que deve ser encarado como um acto de disponibilidade e entrega não pode acabar num desfile de vaidades.

É fundamental que comecemos a desprezar e a afastar a mediocridade e complacência daqueles que não conseguem distinguir os momentos sérios e os momentos de brincadeira. Enquanto uns preparam o futuro, procuram projectar o ideal de desenvolvimento ou até mesmo, como superar adversidades que já deveriam ter sido ultrapassadas, outros tentam dividir através do gozo puro e atribuindo sempre más intenções aos outros sem respeitar o caminho que cada um quer seguir e as convicções que tem. Que em 2021 possamos assistir a campanhas construtivas no sentido em que cada um tenta fazer prevalecer o seu projecto esperando obter o maior número de votos do eleitorado. Temo que isso não aconteça pois em alguns concelhos já existem indícios de que o debate será nivelado por baixo. Na vida e na política não vale tudo.

As questões são demasiado simples e devem ser feitas em campanha pelos eleitores. O Plano Director Municipal, por exemplo, é um instrumento fundamental na gestão do território, que vai prever os sítios onde é fundamental preservar a natureza ou onde é permitido construir e de certo modo projectar investimentos de relevo para o futuro de cada concelho. Quem é capaz de assumir com empenho e seriedade este dossier? E dada a situação social e económica menos favorável causada pela pandemia, em quem poderemos confiar para, com muita mestria e imaginação, tomar pulso sem resguardar-se na desculpa fácil da falta de verbas para apoiar quem mais necessitar? Se não questionamos nem formos exigentes, acabamos aceitando qualquer coisa e não estamos em alturas de quaisquer coisas, como se o exercício da política fosse uma brincadeira.

Um projecto político é tão ou mais importante que o próprio candidato, até porque um cabeça de lista é visto, pelo menos para mim, como a pessoa mais capaz para desenvolver um projecto colectivo. Temos a responsabilidade de aferir quem quer usar a política para o desenvolvimento de projectos pessoais e servir-se dela para outros interesses que não os mesmos da população.

E assim combatemos o dito populismo, dando prioridade a quem quer de facto fazer acontecer.

Recomendadas

Funchal: PAN critica “tiques de absolutismo” de PSD e CDS-PP

O partido diz que o Orçamento Municipal do Funchal, que foi aprovado na Assembleia Municipal, permite concluir que estamos perante uma vereação “sem rasgo, sem ideias, conduzida por um presidente de Câmara, Pedro Calado, cuja capacidade de resolução de problemas já é considerada, por um número crescente e cada vez maior de habitantes do Funchal, como uma desilusão”.

Madeira lança campanha para promover literacia na saúde

Entre os temas abordados estarão: a alimentação saudável, a promoção da atividade física, a prevenção de acidentes em diferentes idades e contextos, a saúde mental ao longo da vida, a prevenção de consumos de substâncias psicoativas, a prevenção de consumos de álcool e tabaco, o sono e o repouso recomendados e o uso adequado da medicação.

Asseco PST e LOQR estabelecem parceria para reforçar ligação à lusofonia

Com esta parceria as empresas pretendem auxiliar as instituições financeiras no seu processo de aceleração digital.
Comentários