Um terceiro envelope com explosivos chega à base aérea espanhola de Torrejón

Um envelope semelhante aos que foram enviados na quarta-feira à embaixada da Ucrânia e à empresa Instalaza, fabricante de armas em Saragoça, chegou hoje à base aérea de Torrejón de Ardoz, perto de Madrid, reporta a EFE.

5 – Espanha

A informação foi avançada à agência noticiosa espanhola por fontes da investigação, que indicaram que, cerca das 03h00 locais (02h00 em Lisboa), a base aérea militar notificou as forças de segurança da existência de um envelope suspeito endereçado à Central de Satélites.

Os respetivos protocolos de segurança foram imediatamente ativados, enquanto a Polícia Nacional assumiu a análise do envelope, tendo determinado, após análise ao raio-X, que poderia conter “algum tipo de mecanismo” semelhante aos dois intercetados quarta-feira.

A Polícia Nacional espanhola já estava a avaliar se há uma ligação entre a carta enviada à embaixada ucraniana em Madrid, cuja deflagração feriu um funcionário, e a recebida mais tarde no mesmo dia pela fábrica de armas de Zaragoza Instalaza.

O Tribunal Nacional espanhol indicou que está a investigar pelo menos o primeiro caso como crime de terrorismo, enquanto o Ministério do Interior decidiu reforçar a segurança e proteção da Embaixada da Ucrânia.

A Zaragoza Instalaza é uma empresa de armas que emprega mais de 150 pessoas em três fábricas localizadas em Saragoça, capital da região de Aragão, no nordeste de Espanha, e que exporta a sua produção para mais de 35 países.

A empresa fabrica sistemas de lançamento de foguetes, granadas de mão e dispositivos de visão noturna.

O catálogo de produtos disponível no portal da empresa inclui também os lançadores de granadas tipo ‘C90’ e o ‘Alcotán’, este último um sistema de foguetes antitanque de uso único, portátil e sem recuo, usado pela infantaria.

Em março deste ano, num dos primeiros carregamentos de ajuda à defesa da Ucrânia após a invasão russa em fevereiro, Espanha enviou 1.370 lançadores de granadas do tipo ‘C-90’ e ‘Alcotán’, juntamente com um carregamento de metralhadoras leves e 700.000 cartuchos de diferentes calibres.

Recomendadas

Presidente croata condena envio de armas ocidentais para a Ucrânia

Zoran Milanovic criticou as políticas ocidentais em relação à Rússia mas também a forma como a Europa está a atuar nos Balcãs. O presidente adverte que é a Europa e não os Estados Unidos que está a pagar a fatura da guerra.

Ucrânia. Presidente checo apoia entrada na NATO e ajuda militar “quase sem limites”

Petr Pavel disse que a ajuda militar à Ucrânia deve acontecer “quase sem limites”, mas tem dúvidas de que os caças F-16 possam chegar a tempo de ajudarem a defender o território ucraniano.

Ucrânia. Joe Biden nega envio de caças F-16 para apoiar na guerra

O presidente dos EUA deixou a garantia de que não vai enviar aquelas aeronaves de combate. Por outro lado, o presidente francês reúne hoje com o ministro da Defesa ucraniano e fez saber que não tomou ainda uma decisão.
Comentários