PremiumUma bomba anónima caiu entre Przewodow e Bali

A cimeira das 20 maiores economias do mundo ficou marcada pela queda de um míssil na Polónia, cuja proveniência continua estranhamente incerta. Na declaração final, ficava claro que nem todos os presentes tinham as mesmas opiniões sobre o que se passa na Ucrânia.

Há uns dias, caiu um míssil na região de Przewodow, Polónia. A maioria dos líderes mundiais estava em Bali, Indonésia – com a exceção de qualquer alto dignatário russo (Vladimir Putin porque não chegou a ir e Sergey Lavrov porque já tinha ido embora) – e entrou, primeiro, em acusação, depois em negação e finalmente em dúvida.

Numa altura em que toda a gente sabe onde está toda a gente, em que os drones conseguem assassinar a pessoa certa no meio de uma multidão, em que os mísseis de defesa atingem mísseis de ataque numa autofagia admirável e em que aviões voando a mais de mil km por hora acertam com bombas no metro quadrado determinado, ninguém sabe de onde veio e para onde ia o míssil que caiu na Polónia.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

O que o incidente na Polónia pode significar

Se dúvidas ainda existissem, o Ocidente mostrou que não está interessado num confronto direto e Putin estará agora ainda mais convencido de que o compromisso para com a Ucrânia poderá vacilar devido ao impacto crescente na economia e ao receio de uma guerra generalizada.

Presidente polaco visita local atingido por míssil e reitera que foi um “acidente”

O presidente polaco, Andrzej Duda, visitou hoje o local junto à fronteira entre a Polónia a e Ucrânia atingido na passada terça-feira por um míssil que matou duas pessoas, e confirmou que se tratou de um “acidente”.

Ucrânia: Incidente na Polónia causado por míssil ucraniano mas culpa não é de Kiev, diz NATO (com áudio)

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), Jens Stoltenberg, disse hoje que a explosão que matou duas pessoas na Polónia “foi provavelmente causada” por um míssil ucraniano, mas ressalvou que “não é culpa da Ucrânia”.
Recomendadas

Ucrânia: Alemanha garante apoio ao sector energético e entrega “mais de 350 geradores”

A Alemanha vai fornecer “mais de 350 geradores” à Ucrânia, afetada pelos ataques russos contra as suas infraestruturas de energia nas últimas semanas, divulgou hoje o porta-voz do Governo alemão.

Ucrânia: França e Eslováquia reforçam arsenal militar ucraniano

A Ucrânia anunciou hoje que recebeu sistemas de artilharia LRU oriundos da França e a Eslováquia informou que entregou 30 veículos de transporte de infantaria, para reforçar o arsenal militar que será usado contra a invasão russa.

Hungria diz que não condiciona alargamento da NATO ao envio de verbas comunitárias

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, assegurou hoje que não irá condicionar a ratificação do alargamento da NATO ao envio a Budapeste de fundos comunitários congelados por Bruxelas devido à situação do estado de Direito no país.
Comentários