Uma nova auditoria digital

A necessidade de adaptação a exigências e desafios levou a uma estratégia assente em novas tecnologias.

Fabrizio Bensch/Reuters

O setor da auditoria e dos seus profissionais tem vindo a presenciar uma mudança nas suas rotinas, deixando a dependência da amostragem e de procedimentos manuais, para se adaptar a uma estratégia de auditoria assente nas novas tecnologias e em automatismos que visam o aumento da robustez das conclusões de auditoria.

Esta evolução da profissão decorre da necessidade de adaptação às exigências e desafios com que os clientes se deparam. De acordo com estudos recentes sobre “Data & Advanced Analytics” (o qual conta com o contributo de mais de 1.500 gestores de empresas de todo o mundo), 23% dos entrevistados referem ter alcançado uma estratégia de análise de dados transversal a toda a empresa, o que compara com apenas 16% no mesmo estudo no ano anterior. O mesmo estudo refere ainda que, nos próximos dois anos, mais de metade dos inquiridos pretende investir pelo menos 10 milhões de dólares em recursos de análise de dados. Esta crescente preocupação e investimento por parte dos executivos e gestores das empresas, reforçou a necessidade das firmas de auditoria reinventarem a sua abordagem, procurando um alinhamento com os desafios e características de um mundo de negócios em constante mudança. Atualmente, todo o processo de auditoria é assente em ferramentas de data analytics, as quais proporcionam uma análise massiva de dados, permitindo a análise da totalidade da população e não tendo de recorrer a técnicas de amostragem, o que contribui para que se possa:

  • reduzir de forma substancial o tempo despendido na análise documental;
  • identificar flutuações, tendências e transações não usuais de forma mais rápida;
  • e emitir recomendações de valor acrescentado sobre os processos e controlos implementados ao nível da empresa.

Para além das ferramentas de análise de dados, o aumento da automação, através de RPA (Robotic Process Automation) e de dispositivos inteligentes integrados, permite uma redução do tempo despendido em tarefas de back-office, possibilitando um maior foco nas áreas de risco de cada cliente e de cada setor. Aliada a esta evolução digital, verificou-se uma alteração na estrutura de profissionais das firmas de auditoria. Nos dias de hoje, os profissionais são provenientes não apenas das áreas de Gestão, Economia, Finanças e Auditoria, mas igualmente de áreas como a Matemática, a Engenharia e o Direito, onde as competências e as valências desenvolvidas vão ao encontro das novas realidades com que os clientes se deparam.

Toda esta nova estrutura e abordagem digital visa acompanhar em tempo real as diferentes necessidades e perspetivas dos clientes, os quais já não esperam apenas uma auditoria tradicional, mas sim uma abordagem envolvente e inovadora que acrescente valor à sua organização. Cabe ao auditor saber adaptar as suas valências ao meio envolvente, não esquecendo contudo um dos pilares fundamentais da profissão: o ceticismo profissional.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Desenvolvimento da Biotecnologia em Portugal

A biotecnologia explora processos celulares e biomoleculares para desenvolver tecnologias e produtos que ajudam a melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Canábis medicinal: um cluster emergente em Portugal?

Portugal está no radar do investimento mundial na cadeia de valor da canábis medicinal, possuindo excelentes condições para se tornar um hub europeu nesta indústria.

ESG no imobiliário: o que as organizações devem considerar

Nas maiores empresas, esta abordagem de integração estratégica está a ser encarada como um imperativo de negócio para criar valor a longo prazo.
Comentários