Uma universidade tem que formar excelentes pessoas

Nunca como atualmente o tema da integridade esteve tanto na ordem do dia. Quer no campo das empresas, quer no das instituições, a forma de atuar dos líderes das organizações é hoje, mais do que nunca, escrutinada, pois os escândalos que têm vindo a público, tanto na vida empresarial como na vida política, tornaram a […]

Nunca como atualmente o tema da integridade esteve tanto na ordem do dia. Quer no campo das empresas, quer no das instituições, a forma de atuar dos líderes das organizações é hoje, mais do que nunca, escrutinada, pois os escândalos que têm vindo a público, tanto na vida empresarial como na vida política, tornaram a ética uma premissa básica de tudo o que fazemos.

 
Mais do que nunca, a Universidade no seu modelo académico, deverá ter a preocupação de, tanto ou mais do que formar diplomados com profundos conhecimentos científicos, formar melhores pessoas. Não basta mais ter sido um aluno de excelência para entrar numa grande companhia e aspirar a um futuro brilhante: passou a assumir uma extrema relevância ser, antes de mais, uma pessoa com valores.

 
No mundo de hoje, precisamos de pessoas que possuam paixão pelo seu trabalho e capacidade de mobilização para concretizar o que antes parecia impossível, mas que o façam sempre com a máxima integridade.
Estarão as universidades e as instituições preparadas para um back to basics que, aparentemente, a sociedade remeteu para segundo plano durante as últimas décadas?! Estarão todas as universidades a debater e a traçar planos para formar o que a sociedade mais necessita para criar emprego, para trazer de novo a confiança de que todos carecemos para o desenvolvimento de um país com boa gente, mas que, quase sempre, os líderes se esquecem de respeitar?!

 
Esperamos que os jovens líderes não percam nunca de vista que os líderes com paixão, que traçam metas difíceis mas possíveis, que celebram os êxitos e aceitam os fracassos, que “estimulam” autoconfiança, transparência e mobilizam pessoas são os que comunicam melhor, delegam com maior eficácia, transformam visões em ações e antecipam conflitos desnecessários. São apenas estes os líderes que conseguirão fazer crescer as suas organizações de uma forma sustentada.

 
Como disse um dia Louis Pasteur “os acasos só favorecem os espíritos preparados”! Os que acreditam que sem trabalhar arduamente se alcança o sucesso, que sem transparência e integridade se conquista o mundo estão totalmente equivocados e disso temos exemplos de sobra diariamente na praça pública.

 

Nélson Santos de Brito
Diretor Geral da Universidade Europeia, CEO Laureate Education para Portugal e Espanha

 

Recomendadas

Combater a inflacção: um tempo de algum sacrifício e perseverança

É inegável que nos deparamos globalmente com um atípico surto inflaccionista, em muito determinado  por circunstâncias disruptivas que a guerra na Ucrânia fez explodir, nomeadamente na questão central do fornecimento e do preço dos bens energéticos e também dos bens alimentares de base.

Agressão ginecológica: um episódio, apenas

Não será tempo de expormos mais abertamente a violência ginecológica a que nós mulheres somos expostas? Sim. E nada desculpa este cenário, nem a luta entre médicos ginecologistas e Governo. A cada agressão deve corresponder uma queixa formal. Só assim podemos dizer com propriedade: “Sou dona do meu corpo. Exijo respeito, seja em que circunstâncias for”.

Winter is coming

Já repeti este título em crónicas anteriores, mas este inverno provavelmente vai ser o mais difícil que atravessei.