“União Económica e Monetária pode, a prazo, ficar em causa”, alerta vice-governador do BdP

Luís Máximo dos Santos defende que reforma da União Económica e Monetária “é tão difícil quanto necessária”. E considera que as alterações até agora introduzidas, ainda que positivas, são “insuficientes para garantir a sustentabilidade a longo prazo da UEM e assegurar a estabilidade financeira” tanto a nível da União como dos países que a integram.

Com a crise financeira de 2008, as fragilidades da União Económica e Monetária (UEM) foram expostas como foi o caso dos mecanismos adequados à prevenção de desequilíbrios macroeconómicos e consequentes crises financeiras e de solvabilidade dos Estados. E também dos instrumentos adequados para agir no contexto dessas crises. Desde então a reforma da UEM está no topo das prioridades europeias, mas tarda em executá-la e se não forem dados passos concretos pode mesmo ficar, a prazo, em causa. O alerta é de Luís Máximo dos Santos, vice-governador do Banco de Portugal (BdP).

“O pior de tudo seria fingir que estamos a reformar a UEM e deixar os problemas centrais sem perspetiva de solução. Certamente num quadro gradualista como, aliás, é característico na história da União, temos mesmo de dar passos concretos para solucionar os desequilíbrios existentes no interior da União. Se não o fizermos, a UEM pode mesmo, a prazo, ficar em causa”, defendeu Luís Máximo dos Santos, esta segunda-feira, num seminário jurídico do Banco de Portugal que serviu de momento de reflexão sobre a reforma da UEM e de tributo a várias gerações de colaboradores do BdP que participaram no processo de construção doa UEM.

E são muitos os desafios que tardam em ser implementados, desde completar a união bancária, passado por integrar o Mecanismo Europeu de Estabilidade o direito europeu, até à necessidade de ligar e equilibrar a necessidade de disciplina orçamental e económica com o reforço de instrumentos de partilha de risco e de capacidade orçamental da UEM.

Máximo dos Santos não esconde que a reforma da UEM e da União Bancária Europeia “é uma tarefa muito difícil”. Mas alerta que “é tão difícil quanto necessária, pois as alterações até agora introduzidas, ainda que positivas, são “insuficientes para garantir a sustentabilidade a longo prazo da UEM e assegurar a estabilidade financeira tanto a nível da União como dos países que a integram”.

“Não há tempo a perder, pois temos o dever de evitar que a próxima crise nos encontre na atual situação, ou seja, a meio do caminho e com a utilização de alguns instrumentos potencialmente esgotada”, defendeu no seminário que serviu também para o BdP assinalar o vigésimo aniversário do Banco Central Europeu (BCE) e o da sua participação no Sistema Europeu de Bancos Centrais (SEBC) e no Comité Jurídico (conhecido pelo acrónimo LEGCO).

Neste encontro, o vice-governador do BdP defendeu que a UEM não é um fim em si mesma, pois foi  construída com o propósito de contribuir para melhorar a vida dos cidadãos dos Estados-membros e para reforçar o peso da União Europeia no mundo.

“Esses são os pressupostos essenciais que lhe conferem força e legitimidade – se forem alcançado”, realçou Máximo dos Santos no seminário que contou com a presença do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e de Jean-Victor Louis, especialista em direito europeu.

Para o vice-governador do BdP, “a perpetuação da UEM não pode residir no medo do que significaria o seu fracasso”, argumentando que “a história demonstra-nos que na base do medo e da pressão nada de sólido e duradouro se constrói” e que, por isso, “é tão importante que a reforma da UEM seja bem-sucedida”.

Sobre o caminho que falta percorrer, Máximo dos Santos destaca que seja qual for o desfecho deste processo, tem sido e vai continuar a ser um período que, tanto na realização de opções políticas como no plano estritamente técnico, exigirá “um intenso e difícil trabalho” para várias instituições, incluindo o Banco de Portugal.

Para o responsável do banco central português, o avanço da negociação da reforma da UEM vai pôr em evidência questões jurídicas e institucionais delicadas, designadamente quanto à adequada repartição de poderes entre a União e os Estados-membros e ao equilíbrio de poderes entre as diferentes instituições europeias.

Segundo o vice-governador do BdP, o inventário das divergências está feito e os caminhos possíveis estão identificados. “Falta ter a coragem de tomar as decisões. Mas temos de ter consciência das divisões existentes entre os Estados-membros e no seu seio e, por isso, temos de ser realistas”, concluiu, explicando que o realismo passa pela capacidade de saber pôr em prática soluções capazes de enfrentar os problemas identificados no funcionamento da UEM mas, diz, “com espírito de compromisso e compreensão mútuas”.

 

Seis anos após o lançamento, união bancária encontra-se por completar

Luís Máximo dos Santos recorda que em reação à crise, foram adotadas várias medidas visando o reforço da coordenação das políticas orçamentais dos Estados-membros (parte delas através de instrumentos puramente intergovernamentais) e foi lançado o projeto da união bancária. Porém, alienta, seis anos após o seu lançamento, o projeto encontra-se ainda por completar. É o caso do chamado terceiro pilar – o Sistema Comum de Garantia de Depósitos – e também de a determinados aspetos apontados por Máximo dos Santos como “fundamentais para dar solidez e coerência ao Mecanismo Único de Resolução”. Em causa está o financiamento das medidas de resolução e as consequências em caso de liquidação das instituições.

O vice-governador do BdP recorda aqui as recentes palavras de Peter Praet, membro da Comissão Executiva do BCE ao defender que “é insólito que a responsabilidade pela supervisão seja coletiva, mas as consequências, se alguma coisa correr mal, retornem para as autoridades nacionais”.

Relacionadas

Um ano depois, a reforma da zona euro continua o principal desafio de Centeno

Um ano depois de ser eleito para presidente do Eurogrupo, Mário Centeno quer completar o mandato de dois anos e meio com a concretização da União Económica e Monetária.

“BCE teve que agir no limite das suas competências próprias” durante a crise, diz Santos Silva

A duas semanas da realização da Cimeira do Euro, o ministro dos Negócios Estrangeiros referiu que é necessário “completar” a reforma da União Económica e Monetária, mas também “corrigir alguns dos aspectos” da sua estrutura.

Falta um sistema comum de garantia de depósitos na União Bancária, realça Carlos Costa

Carlos Costa sustentou que falta à União Bancária a ‘criação’ de um terceiro pilar – o sistema comum de garantia de depósitos. O governador do Banco de Portugal alertou ainda para o esvaziamento das garantias democráticas nos processos de decisão no seio da União Europeia e apelou aos líderes europeus para clarificarem futuro do rumo europeu na próxima Cimeira do euro.

Para quando a conclusão da União Económica e Monetária?

Sejamos muito claros. Tudo o que contribua para reforçar a solidez da banca europeia é positivo para a banca portuguesa e para o interesse nacional.
Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.
Comentários