União Europeia abre investigação ao acordo de fusão entre a Hyundai e a Daewoo

Em janeiro, a Hyundai havia anunciado um acordo para criar o maior construtor de navios do mundo, com 21% de participação de mercado, em parte como resposta ao excesso de capacidade do setor. O negócio está avaliado em 1,6 mil milhões de euros.

A União Europeia (UE) vai abrir na próxima semana uma investigação ao processo fusão do grupo Hyundai com a construtora naval Daewoo devido a sérias preocupações anti regulação da UE, escreve a “Reuters” esta segunda-feira, 9 de dezembro, citando duas fontes próximas deste negócio.

Recorde-se que em janeiro, a Hyundai havia anunciado um acordo para criar o maior construtor de navios do mundo, com 21% de participação de mercado, em parte como resposta ao excesso de capacidade do setor, num negócio que está avaliado em 1,6 mil milhões de euros.

O projeto para juntar estas as duas empresas exige ainda a aprovação regulatória da Coreia do Sul, Singapura, China, Japão e Cazaquistão, bem como da própria União Europeia, revela um porta-voz da Hyundai à “Reuters”. De acordo com o mesmo porta-voz, até ao momento, apenas o Cazaquistão aprovou o acordo.

“Acreditamos que as autoridades de Singapura estão a adotar uma abordagem cautelosa para tomar uma decisão sobre o acordo entre os dois grandes players do mercado”, afirmou o porta-voz da Hyundai.

A Hyundai foi classificada como a maior construtora de navios do mundo em carteira de pedidos desde o ano passado, com a Daewoo em segundo. As empresas têm uma participação de mercado combinada de 21,2%, seguida pela Imabari do Japão, com 6,6%.

Esta fusão ocorre quando o setor da construção naval mundial recupera de uma desaceleração económica global, que levou a perdas maciças, cortes generalizados de empregos e, em 2017, ao resgate de 2,3 mil milhões da Daewoo.

Recomendadas

OPEP retoma reuniões presenciais perante medo de recessão internacional

A OPEP+, o grupo integrado pelos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e aliados, reúne-se quarta-feira pela primeira vez presencialmente desde março de 2020, num momento em que crescem os receios de uma recessão internacional.

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.
Comentários