União Europeia aprova mudança nos carregadores vendidos na Europa. Apple vai ter de se adaptar

Os cabos USB-C serão obrigatórios em dispositivos como telemóveis, tablets e câmaras fotográficas, por decisão do Parlamento Europeu. A decisão foi tomada hoje e entra em vigor em 2024.

As tecnológicas que fabricam dispositivos como telemóveis, tablets e câmaras fotográficas terão que fazê-lo com uma porta única de carregamento e um só cabo, igual para todas as marcas. Trata-se dos cabos USB-C, que são utilizados nos aparelhos com sistema operativo Android.

A medida foi aprovada pelo Parlamento Europeu, esta terça-feira, e será válida a partir de 2024, de acordo com a “Reuters”.

A decisão chega de Bruxelas depois de, durante o mês de junho, os países da União Europeia (UE) e os legisladores terem chegado a acordo para a utilização de um cabo universal. Por enquanto, os dispositivos da Apple são carregados com um cabo Lightning, diferente dos cabos USB-C, usados nos Android.

A UE tem vindo a defender a existência de uma única forma de carregamento há mais de uma década, mas as negociações entre as empresas não haviam chegado a bom porto, no sentido de avançar com esse objetivo.

Analistas citados pela “Reuters” dizem que a medida pode ter um impacto positivo na Apple, com os consumidores a procurarem a adquirir os dispositivos mais recentes, em vez dos que não têm a entrada USB-C.

Recomendadas

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.

EDP procura startups mais inovadoras na área da energia

Elétrica lança a 7ª edição do Free Electrons em busca de startups inovadoras. Candidaturas decorrem até 28 de janeiro.

Mitos que bloqueiam progressão feminina e dificultam diversidade de género nas empresas

Relatório da Mazars e Gender Balance Observatory desmistifica mitos em contexto laboral, entre os quais a falta de ambição e a aversão ao risco entre as mulheres, a questão da maternidade ou das quotas e a meritocracia.
Comentários