União Europeia condena aumento de lançamentos ilegais de mísseis norte-coreanos

Para Josep Borrell, estas ações representam “uma escalada perigosa” na “repetida violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU” pela República Popular Democrática da Coreia.

O alto representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Josep Borrell, condenou o “aumento significativo de lançamentos ilegais de mísseis”, efetuados esta semana pela República Popular Democrática da Coreia.

Para Josep Borrell, estas ações representam “uma escalada perigosa” na “repetida violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU” pela República Popular Democrática da Coreia.

O lançamento, no sábado, de mais quatro mísseis norte-coreanos de curto alcance sobre o Mar Amarelo juntam-se aos restantes mísseis e 25 outros projéteis lançados em menos de sete dias, em retaliação aos exercícios militares conjuntos realizados pela República da Coreia e pelos Estados Unidos da América, onde participam bombardeiros estratégicos norte-americanos pela primeira vez desde 2017.

O diplomata da UE entende que “o número sem precedentes” de mísseis balísticos lançados em 2022 pela República Popular Democrática da Coreia “representa um exemplo alarmante da sua intenção de continuar a minar o regime global de não proliferação”.

É por isso que, segundo Borrell, é necessária “uma resposta determinada e unida da comunidade internacional”, e pede, em nome da UE, ” a todos os Estados membros da ONU, especialmente os membros do Conselho de Segurança da ONU, que garantam a plena aplicação das sanções” à República Popular Democrática da Coreia.

O diplomata da UE exorta as autoridades norte-coreanas, a cumprirem “imediatamente as resoluções do Conselho de Segurança da ONU” e a abandonarem “todas as suas armas nucleares e outras armas de destruição maciça, programas de mísseis balísticos e programas nucleares existentes”.

A UE garante à República Popular Democrática da Coreia que tais ações “nunca conferirão o ‘status’ de um Estado com armas nucleares” e insta Pyongyang a “retornar imediatamente ao pleno cumprimento” do Tratado de Não-Proliferação como um Estado sem armas nucleares.

Por fim, a UE manifesta “a sua total solidariedade” com o Japão e a República da Coreia e reitera o seu apelo às autoridades de Pyongyang para ” pararem com as suas ações agressivas e desestabilizadoras, respeitarem o direito internacional e retomarem o diálogo com todas as partes relevantes”, com o apoio de Bruxelas.

Relacionadas

Coreia do Sul em alerta após detetar grande mobilização de aeronaves norte-coreanas

O exército sul-coreano mobilizou hoje 80 aviões depois de identificar um grande destacamento de aeronaves da Coreia do Norte, que tem lançado mísseis para responder a manobras militares de Seul e Washington.

Washington e Seul alertam que uso de armas nucleares ditaria fim do regime Kim Jong-un

Entretanto, a Coreia do Norte disparou 80 tiros de artilharia na direção de “zona tampão” marítima em reação ao prolongamento de exercícios militares conjuntos da Coreia do Sul com os Estados Unidos.

Rússia pede calma na península coreana após disparos de mísseis norte-coreanos (com áudio)

A Rússia apelou hoje a todas as partes envolvidas no conflito coreano para se acalmarem, depois de a Coreia do Norte ter disparado mais de duas dezenas de mísseis que causaram preocupação na Coreia do Sul.
Recomendadas

Desflorestação na Amazónia cai pela primeira vez no Governo de Bolsonaro

A Amazónia brasileira perdeu 11.568 km2 de cobertura vegetal entre agosto de 2021 e julho de 2022, menos 11,3% que a devastada no ano anterior. É a primeira redução do desmatamento desde que Jair Bolsonaro chegou ao poder.

Israel: Netanyahu garante que vai manter a controlo sobre a extrema-direita

Primeiro-ministro designado insiste que os radicais com que formará governo não vão tomar o poder nas suas mãos. “Israel não será governado pelo Talmud”. A incógnita é o que acontecerá com o seu julgamento por corrupção.

Parlamento alemão define como genocídio a “grande fome” na Ucrânia

O parlamento alemão aprovou uma resolução que define de genocídio o ‘Holodomor´’, a “grande fome” que atingiu a Ucrânia em 1932-1933 e que terá vitimado mais de três milhões de ucranianos.
Comentários