União Europeia cria nova missão para observação de Nagorno-Karabakh

A União Europeia planeia estabelecer uma nova missão de observação com o objetivo de resolver o conflito na região fronteiriça entre a Arménia e o Azerbaijão, depois de a Rússia ter mostrado pouca eficácia na resolução do problema.

Nagorno-Karabakh

Representantes dos 27 Estados-membros da União Europeia concordaram em criar em Bruxelas uma missão de observação de Nagorno-Karabakh, região fronteira entre o Azerbaijão e a Arménia com um conflito latente há décadas. Segundo a imprensa, a missão será formalmente criada na próxima semana, a quando da realização de uma reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros dos 27.

O objetivo da missão é reduzir os incidentes constantes na região, diminuir o risco para as populações ali residentes e ajudar a normalizar a diplomacia entre os dois países. Não é a primeira vez que a União pretende empenhar-se numa solução para o conflito, mas até agora não o conseguiu. Do mesmo modo, a Rússia, depois de uma fase em que pareceu conseguir controlar os ímpetos regionais, também não tem sido mais bem-sucedida.

As relações entre as duas ex-repúblicas soviéticas da Arménia e do Azerbaijão são tensas desde 1991, quando os militares arménios ocuparam ilegalmente (do ponto de vista do direito internacional) a região de Nagorno-Karabakh, um território reconhecido internacionalmente como parte do Azerbaijão, e sete regiões adjacentes.

Os confrontos eclodiram em 27 de setembro de 2020, com o exército arménio atacando civis e forças do Azerbaijão, violando vários acordos humanitários de cessar-fogo. Durante o conflito, que se arrastou por 44 dias, o Azerbaijão libertou várias cidades e regiões que estiveram ocupadas pela Arménia.

A Rússia conseguiu mediar um acordo em novembro de 2020, visto como uma vitória para o Azerbaijão e uma derrota para a Arménia. O cessar-fogo foi quebrado várias vezes desde então.

Os Estados Unidos também se envolveram na questão, ao mesmo tempo que a Rússia não desiste de ter um papel ativo na questão. O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, conversou esta semana feira com o primeiro-ministro arménio, Nikol Pashinian, e os dois discutiram medidas para reiniciar as negociações bilaterais com o Azerbaijão.

“O secretário expressou profunda preocupação com o agravamento da situação humanitária em Nagorno-Karabakh, resultante do bloqueio do corredor Lachin”, disse o Departamento de Estado em comunicado, referindo-se à única estrada que liga o enclave à Arménia.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergey Lavrov, falou com o seu homólogo do Azerbaijão, Jeyhun Bayramov, e “enfatizou a necessidade de um desbloqueio rápido e completo do tráfego através do Corredor de Lachin”, disse o ministério em comunicado.

Recomendadas

Zelensky desloca-se hoje ao Reino Unido e vai encontrar-se com Sunak

Depois do Reino Unido, espera-se que Volodymyr Zelensky se desloque até Bruxelas amanhã, onde se irá voltar a encontrar com Charles Michel e Ursula von der Leyen. Ainda assim, a visita de quinta-feira ainda é uma incógnita, uma vez que a viagem deveria ter sido mantida em segredo.

Sismo na Turquia: Novo balanço ultrapassa os 8.300 mortos (com áudio)

Equipas de emergência turcas conseguiram resgatar esta madrugada uma mãe síria e a filha de dois anos, 44 horas depois de terem sido soterradas sob os escombros de um prédio destruído no sul da Turquia.

Ucrânia: Portugal abriu 103 processos envolvendo crianças e três estão em famílias de acolhimento

Desde que começou a guerra na Ucrânia, a 24 de fevereiro do ano passado, Portugal atribuiu 14.082 proteções temporárias a menores ucranianos, representando cerca de 25% do total dos refugiados que fugiram do conflito.
Comentários