União Europeia e NATO concordam emitir nova declaração conjunta (com áudio)

Num encontro mantido ontem, Ursula von der Leyen e Jens Stoltenberg falaram sobre a agressão russa contra a Ucrânia e sobre o aumento do apoio a este país, para além da cooperação entre Bruxelas e a aliança atlântica, de acordo com o que partilharam nas suas redes sociais.

epa09846261 NATO Secretary General Jens Stoltenberg attends a press conference at the end of an extraordinary NATO Summit at the Alliance headquarters in Brussels, Belgium, 24 March 2022. EPA/STEPHANIE LECOCQ

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, concordaram ontem, segunda-feira, que “chegou a hora” de emitir uma nova declaração conjunta de ambas as entidades para “progredir na sua associação”.

Num encontro mantido ontem, os dois dirigentes falaram sobre a agressão russa contra a Ucrânia e sobre o aumento do apoio a este país, para além da cooperação entre Bruxelas e a aliança atlântica, de acordo com o que partilharam nas suas redes sociais.

“A cooperação EU-NATO contribui para a segurança e a estabilidade, pelo que acreditamos que chegou a hora de acordar uma nova declaração conjunta para progredir na nossa associação”, afirmaram ambos no Twitter, sem avançar detalhes sobre o conteúdo da declaração.

Apesar de não apontarem uma data para assinar a referida declaração, o ministro checo da Defesa, Jan Jires, indicou hoje numa audiência no Parlamento Europeu que a assinatura, uma das prioridades da presidência checa do Conselho – poderá acontecer em Praga, no dia 30.

Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.
Comentários