União Europeia paga transporte de cereais ucranianos para países vulneráveis

A iniciativa pretende fornecer cereais gratuitos a pelo menos cinco milhões de pessoas, em países como o Sudão, o Iémen, o Quénia e a Nigéria até ao final da primavera de 2023.

A União Europeia vai pagar o transporte em dois navios de 40 mil toneladas de cereais ucranianos, no âmbito de uma iniciativa de Kiev destinada a exportar cereais para países vulneráveis, anunciou hoje a presidente da Comissão Europeia.

“Pagaremos o transporte de 40 mil toneladas de cereais, que é o que resta do que (a Ucrânia) disponibilizou, seja qual for o custo”, disse Ursula von der Leyen numa intervenção por vídeo por ocasião da campanha “Grain from Ukraine” (Grão da Ucrânia).

A iniciativa visa fornecer cereais gratuitos a pelo menos cinco milhões de pessoas, em países como o Sudão, o Iémen, o Quénia e a Nigéria até ao final da primavera de 2023, anunciou anteriormente o Governo ucraniano.

Esta foi lançada coincidindo com as cerimónias que assinalam o chamado “Holodomor”, a grande fome causada pela política do regime soviético que causou milhões de mortes na própria Ucrânia nos anos de 1932 e 1933.

A nova ajuda europeia será acrescentada à mobilização através dos chamados corredores solidários promovidos pela UE, que desde maio permitiram a exportação por terra 17 milhões de toneladas de cereais e produtos alimentares ucranianos.

Esses corredores “tornaram-se uma tábua de salvação para a economia ucraniana, fornecendo mais de 19 mil milhões de euros de rendimentos tão necessários aos agricultores e empresas ucranianos”, referiu Von der Leyen, recordando que recentemente foram mobilizados mais mil milhões de euros para os reforçar.

Além disso, o acordo promovido pela Turquia e pelas Nações Unidas permite que os alimentos sejam retirados do país por barco, o que eleva para 28 milhões de toneladas os produtos exportados para o resto do mundo a partir da Ucrânia.

“A vossa iniciativa ‘Grão da Ucrânia’ tem todo o meu apoio e é crucial para os nossos esforços. Estão a mostrar ao mundo um compromisso inabalável com a segurança alimentar global, a responsabilidade internacional e a solidariedade com os mais necessitados”, disse Von der Leyen dirigindo-se aos ucranianos.

“Hoje, a Rússia está novamente a usar a comida como arma. Como parte da sua brutal agressão contra a Ucrânia, destruiu a sua produção agrícola, atacou os seus silos e bloqueou os seus portos. A Rússia está, portanto, a privar os países mais vulneráveis de África, do Médio Oriente e da Ásia de um acesso vital aos alimentos”, denunciou.

Recomendadas

Ucrânia. Joe Biden nega envio de caças F-16 para apoiar na guerra

O presidente dos EUA deixou a garantia de que não vai enviar aquelas aeronaves de combate. Por outro lado, o presidente francês reúne hoje com o ministro da Defesa ucraniano e fez saber que não tomou ainda uma decisão.

Ucrânia: Alemanha não permitirá que guerra seja conflito entre Rússia e NATO

O chefe do governo alemão considerou tratar-se “de apoiar a Ucrânia”, de “ter um debate sério” para tomar decisões necessárias e não “uma competição [para ver] quem manda mais armas”.

Ucrânia: Secretário-geral da NATO defende mundo “interligado” pela segurança

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que o apoio da Coreia do Norte à Rússia na guerra da Ucrânia reforça a necessidade de o resto do mundo permanecer “interligado” para garantir a segurança.
Comentários