Unicer fecha unidade de Santarém em 2016

A Unicer anunciou que vai proceder ao ajustamento da sua estrutura, devido à retração de alguns mercados, sobretudo o angolano, o que vai culminar com o fecho da unidade de produção de refrigerantes em Santarém. Em comunicado, a cervejeira explicou que “vai recorrer a um parceiro para a produção das suas marcas de refrigerantes e, […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A Unicer anunciou que vai proceder ao ajustamento da sua estrutura, devido à retração de alguns mercados, sobretudo o angolano, o que vai culminar com o fecho da unidade de produção de refrigerantes em Santarém.

Em comunicado, a cervejeira explicou que “vai recorrer a um parceiro para a produção das suas marcas de refrigerantes e, desta forma, desativar esta sua unidade”, designada Rical – Empresa Produtora de Refrigerantes e Águas, o que levará à dispensa dos seus 70 trabalhadores.

Segundo fonte oficial da empresa, foi encontrada uma solução alternativa para metade destes trabalhadores (35), através de um acordo com o parceiro de negócio, que passará a assegurar a produção e enchimento das suas marcas de refrigerantes, estando ainda a ser identificadas oportunidades de mobilidade interna na estrutura global da empresa para uma dezena de funcionários.

O reajustamento levará à dispensa de mais 70 pessoas da estrutura da empresa, dona da Super Bock, Vitalis e Pedras Salgadas, num total de 140 trabalhadores, valor que deverá ser reduzido para 105 com as soluções encontradas para 35 funcionários.

A denúncia do encerramento da unidade de produção de refrigerantes em Santarém foi feita à Lusa pelo Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Bebidas e Tabacos de Portugal (Sintab).

No comunicado, a Unicer explicou que a saída de “pessoas é inevitável”, devido a uma quebra estimada em 30% do mercado cervejeiro angolano, um dos principais mercados externos da empresa.

Esta redução das vendas em Angola, motivada pela crise resultante da queda do preço do petróleo, “terá impacto no desempenho de 2016, com o exercício de 2015 ainda a beneficiar dos efeitos de um rigoroso plano de contenção de custos oportunamente implementado”, adianta a empresa.

“Angola continua a ser um mercado prioritário no negócio da empresa, designadamente no que respeita ao compromisso para com o projeto de investimento industrial em curso”, garante a cervejeira.

Ao mesmo tempo, “a prioridade da Unicer é e será a sustentabilidade da empresa e a manutenção dos mais de 1.200 postos de trabalho diretos, contribuindo, de forma positiva, para a retoma da economia nacional”.

OJE

Recomendadas

Venezuela prepara acordos com petrolífera Chevron após alívio de sanções

A Venezuela anunciou hoje que vai assinar, nas próximas horas, acordos com a petrolífera norte-americana Chevron para impulsionar o desenvolvimento local de empresas mistas (capital público e privado) e a produção de petróleo.

“Via Verde rejeita categoricamente qualquer acusação de burla” que circule no Portal da Queixa

“Sempre que um cliente passa numa portagem e a transação falha, a Via Verde comunica diretamente com o cliente a dar conta de um eventual problema”, justifica. “Este alerta visa sempre proteger os clientes. Se o problema for confirmado, o cliente pode subscrever um plano Via Verde ou, se assim preferir, comprar um identificador novo”, esclarece fonte oficial da empresa ao JE.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.