UNITA quer esclarecimentos do Governo sobre greve dos pilotos da TAAG

O sindicato dos pilotos da companhia aérea de bandeira de Angola convocou uma greve entre os dias 7 (amanhã) e 16 de outubro.

O grupo parlamentar da UNITA, maior partido da oposição angolana, pediu um encontro urgente com o ministro dos Transportes para obter esclarecimentos sobre a greve dos pilotos da companhia aérea de bandeira, atendendo ao impacto da paralisação.

O sindicato dos pilotos da TAAG convocou uma greve entre 07 e 16 de outubro.

Face à “gravidade do problema” e “impacto político, social e económico” da greve para as famílias, empresas e cidadãos em geral, o grupo parlamentar da UNITA decidiu solicitar um encontro de caráter urgente com o ministro dos Transportes, “que visa obter esclarecimentos sobre a situação da anunciada greve dos pilotos da TAAG, em virtude desta ser uma empresa estratégica para o Estado angolano”.

A União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) pretende apurar as causas que levaram a esta situação, bem como as “dificuldades que o executivo e o conselho de administração da empresa têm tido para a resolução das preocupações apresentadas, no quadro do caderno reivindicativo, pelo sindicato dos pilotos” da transportadora aérea angolana.

Segundo um comunicado divulgado no sábado, a TAAG criou um “plano de contingência para minimizar o impacto da possível paralisação” e tem reuniões agendadas entre 03 a 07 de outubro para analisar a situação em conjunto com o sindicato.

Em 20 de julho, o caderno reivindicativo do Sindicato dos Pilotos de Linha Aérea (SPLA) foi entregue à TAAG, tendo sido realizadas reuniões nas quais a companhia aérea “apresentou diversas propostas de resolução, devidamente enquadradas na sua realidade financeira”, e com o “firme objetivo” de acomodar as solicitações dos pilotos, lê-se na mesma nota.

A administração da TAAG sublinha ainda que “o seu foco na prestação de serviços com a qualidade adequada às expectativas” dos clientes, “obriga a agir com brevidade e a minimizar todo e qualquer impacto que lhes possa ser causado”.

Nesse sentido, depois de recebida a informação sobre a “possível paralisação” dos aviões da companhia, a TAAG criou um plano que “vai permitir realizar os voos escalados para o período de greve”.

A Lusa contactou o sindicato dos pilotos para saber detalhes sobre as negociações em curso com a administração da TAAG, mas os responsáveis remeteram informações para mais tarde.

Recomendadas

Portugal “acompanha” declaração condenatória da UE sobre eleições na Guiné Equatorial

“Com a proclamação dos resultados definitivos das eleições presidenciais, legislativas e municipais pelo Tribunal Constitucional da República da Guiné Equatorial, conclui-se o processo eleitoral. A este respeito, Portugal acompanha as declarações emitidas pelas organizações que integra – CPLP e UE”, fez saber o Ministério dos Negócios Estrangeiros numa nota hoje divulgada no Portal Diplomático.

Presidente da República de São Tomé e Príncipe pede investigação e responsabilização de culpados de mortes após ataque a quartel

Após o ataque de sexta-feira da semana passada ao quartel militar, numa ação classificada como “tentativa de golpe de Estado” pelas autoridades são-tomenses, o Presidente esclareceu que as “investigações prosseguem no sentido do apuramento geral da verdade”.

Sindicato dos Jornalistas da Guiné-Bissau afirma que novas licenças são “forma civilizada” de acabar com imprensa

O Governo guineense publicou, com data de 18 de outubro, um despacho conjunto dos ministros das Finanças, Ilídio Vieira Té, e da Comunicação Social, Fernando Mendonça, no qual fixa novos valores para aquisição de alvarás para atividades de radiodifusão, televisão, jornais e filmagens no país.
Comentários