Universidade da Beira Interior reivindica mais seis milhões de euros de financiamento

Mário Raposo, reitor da UBI, que cumpre o primeiro ano do mandato, alertou para o subfinanciamento da instituição, problema que foi diversas vezes denunciado pelos seus antecessores.

Covilhã

O reitor da Universidade da Beira Interior (UBI), Mário Raposo, reafirmou hoje que esta é uma das universidades portuguesas que menos recebe por aluno e reclamou o aumento do financiamento em pelo menos mais seis milhões de euros.

“Oque é um facto é que o nosso orçamento, comparado com o de outras instituições, deveria ser superior em mais seis milhões de euros, pelo menos”, afirmou.

Mário Raposo falava na cerimónia do 36.º aniversário da UBI, durante a qual foram atribuídos dois doutoramentos honoris causa, a Orlando António Quilambo, reitor da Universidade Eduardo Mondlane (Moçambique), e a Orlando Manuel José Fernandes da Mata, reitor da Universidade Mandume ya Ndemufayo (Angola).

Na intervenção, o reitor da UBI, que cumpre o primeiro ano do mandato, alertou para o subfinanciamento da instituição, problema que foi diversas vezes denunciado pelos seus antecessores.

O responsável frisou que o crescimento da UBI não tem sido acompanhado pelas transferências do Governo e que nem sequer são tidos em conta os custos de contexto acrescidos pela aposta em ter o campus universitário instalado ao longo da cidade, em vários edifícios que eram fábricas abandonadas e foram transformados em faculdades.

Sublinhando que a instituição já conta com 8.629 alunos, também destacou que esta é uma das universidades portuguesas que menos recebe por aluno.

Ainda assim, disse, tem mantido as contas equilibradas, graças ao “esforço e abnegação” de todos.

“Devemos ser recompensados por isso, e não penalizados”, reiterou, num apelo ouvido pela ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa.

Fazendo uma caracterização da evolução, sublinhou que a capacidade de atrair e reter alunos assenta na qualidade e prestígio do corpo docente.

Nesse sentido, informou que foi já dado início a uma “estratégia progressiva e gradual de contratação e renovação do corpo docente em áreas científicas mais necessitadas” e que está em curso a abertura de 29 concursos para professores associados de todas as áreas científicas.

Também assumiu a ambição de “uma lógica de atração e fixação dos melhores investigadores” e vincou que essa será uma agenda a debater com a tutela.

Mário Raposo anunciou igualmente que está em preparação um novo regulamento orgânico da UBI e que está a ser elaborado o Plano Estratégico para o período de 2022-2030.

Pensar a UBI à escala internacional, apostar na modernização digital e manter a ligação à cidade e à região, foram alguns dos desafios que destacou.

Mário Raposo não esqueceu o contexto internacional e abordou a guerra na Ucrânia, sublinhando que é um “exemplo de barbaridade e iniquidade jamais imaginável” nos tempos que correm e referindo que a UBI manifestou “total disponibilidade” para acolher estudantes ucranianos.

Nesta sessão, o presidente da Associação Académica da UBI, Ricardo Nora, também se juntou aos apelos para o reforço do financiamento, o que permitirá fazer investimentos em nome da melhoria das condições para os alunos.

Por seu turno, o presidente do Conselho Geral da UBI, Hugo Carvalho, também colocou a questão em cima da mesa: “A UBI não é compensada por razões de interioridade, não é compensada pelo seu histórico, não é compensada pelo aumento que teve na sua estrutura. Por exemplo, continua a receber como se ainda não tivesse Faculdade de Medicina e isso não está certo e convoca-nos a todos para o mudar”, disse.

A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, enalteceu o papel da UBI para ajudar a desenvolver o Interior e deixou a promessa de também ela lutar por um “financiamento adequado”.

“Sabemos bem das necessidades da UBI, sabemos como precisam de reforçar o vosso financiamento para que corresponda efetivamente ao papel fundamental que a UBI tem tido, e terá cada vez mais, no desenvolvimento desta região. Quero que saibam que podem contar com esta ministra na defesa de um financiamento adequado”, afirmou.

Recomendadas

Quase metade dos docentes do ensino superior tem mais de 50 anos

No ano letivo de 2001/2002, quase metade dos professores (48%) tinha menos de 40 anos, mas duas décadas depois, representam apenas 21,5% do total de docentes. Por outro lado, os que têm mais de 50 anos passaram de 22,8% para 46%, segundo dados da DGEEC.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira, 27 de maio

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira, 26 de maio

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta quinta-feira.
Comentários