Universidade de Coimbra e Cruz Vermelha com campo de férias para refugiados

O campo de férias, que arranca na última semana de julho, destina-se a crianças e jovens com estatuto de refugiado, requerentes de asilo ou com proteção internacional, com idades entre os seis e os 16 anos, e que morem, preferencialmente no concelho de Coimbra.

A Cruz Vermelha, em parceria com a Universidade de Coimbra e a Associação Académica, vai organizar no verão um campo de férias para crianças e jovens com estatuto de refugiado.

O projeto foi apresentado esta terça-feira, no âmbito do evento “UC Transforma e UC Social: Portugal e Brasil como Agentes de Voluntariado”, no Student Hub da Universidade de Coimbra (UC).

O campo de férias destina-se a crianças e jovens com estatuto de refugiado, requerentes de asilo ou com proteção internacional, com idades entre os seis e os 16 anos, e que morem, preferencialmente no concelho de Coimbra.

O campo de férias vai ter três edições e arranca na última semana de julho e estende-se até ao final de agosto, explicou o assistente social da Cruz Vermelha Rodrigo Branco, que falava com a agência Lusa à margem da apresentação do projeto.

As inscrições, lançadas hoje, estarão a decorrer até 07 de julho.

O projeto dá continuidade a um campo de férias que a Cruz Vermelha organizou em 2021 para crianças e jovens refugiados, na altura apenas com uma edição de três semanas.

“A Cruz Vermelha vai organizar atividades mais lúdicas [como idas à praia, piscina ou arborismo], a Universidade de Coimbra atividades mais direcionadas para o conhecimento, como a visita ao Jardim Botânico ou ao Observatório Astronómico, e a Associação Académica de Coimbra [AAC] iniciativas relacionadas com as suas secções culturais”, aclarou aquele que é também o responsável de comunicação do campo de férias.

Cada edição deverá ter 15 jovens a participar, mas, caso haja muita procura, há a possibilidade de alargar o limite máximo “até aos 30 participantes por edição”, referiu.

“Daremos a conhecer Coimbra e vamos mostrar um pouco da sua magia e da sua academia”, afirmou o vice-presidente da AAC, Daniel Aragão, apelando aos estudantes para se associarem como monitores do campo de férias.

Também presente na sessão, a vice-reitora Cristina Albuquerque agradeceu à Cruz Vermelha “pelo desafio” e salientou o empenho da Universidade de Coimbra para “contribuir para um bom acolhimento destas crianças e jovens, que tantas tragédias vivenciaram”.

“Esta é uma dimensão muito relevante para nós, de atenção ao que está a acontecer no mundo, atenção ao outro, e concretização efetiva daquilo que muitas vezes são meras palavras, mas têm de ganhar efetivação e concretização. Não basta dizer que somos solidários e que acreditamos nesse tipo de valores. É preciso que criemos condições para que essa solidariedade se traduza em verdadeira cidadania”, vincou.

Recomendadas

CEO da TAP pede desculpas pelos constrangimentos no aeroporto e apela à compreensão

Christine Ourmières-Widener reconhece que a crise da aviação “não deverá melhorar nas próximas semanas”.

Estratégias de sustentabilidade nas empresas dependem da competitividade

O Portugal 2030, que será implementado através de 12 programas, terá uma dotação global superior a 23 mil milhões de euros em fundos estruturais. Que importância têm os programas de financiamento para o tecido empresarial?

“Pertinência dos apoios à capitalização acentuou-se com duplo efeito” exógeno

A emergência dos apoios à capitalização das empresas esbarra com a lentidão dos timings de decisão, o que dificulta a adaptação a um contexto de grande exigência do ponto de vista da gestão.
Comentários