Universidade de Évora brilha na Thomson Reuters

A Universidade de Évora é a única instituição portuguesa destacada na categoria Ambiente e Ecologia do ranking anual de citações científicas da Thomson Reuters.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O protagonista da Thomson Reuters é o investigador Miguel Bastos Araújo, coordenador do polo de Évora do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO-InBio) e titular da Cátedra Rui Nabeiro em biodiversidade.

A lista “Highly Cited Researchers 2015” inclui alguns dos cientístas mais influentes do mundo. A distinção é dada aos investigadores com maior sucesso nos indicadores oficiais “Essential Science Indicators”, que mede, entre outros fatores, o número de artigos científicos altamente citados e que é frequentemente sintetizado através do índice H.

Junto ao investigador da Universidade de Évora, há mais cinco investigadores de quatro instituições portuguesas, que se destacaram nas áreas da Física, Matemática, Engenharia e Ciências Agrícolas. De entre estes destaca-se o físico Nuno Peres (índice H de 30), ex-aluno e docente da Universidade de Évora e que se encontra atualmente a desenvolver atividade científica e docente na Universidade do Minho.

Em 2014, Miguel Bastos Araújo já tinha sido destacado pela Thomsons Reuters, aparecendo listado entre os 200 investigadores mais citados mundialmente entre 2002 e 2012. Neste ranking estavam apenas três portugueses.

“Naturalmente, os rankings valem o que valem, mas o facto da Universidade de Évora estar em posição de destaque só é possível graças à soma do trabalho individual e coletivo de muitos docentes e investigadores desta casa”, diz Miguel Araújo. “O desafio que temos pela frente é fazer com o resultado do nosso trabalho seja maior que a soma das partes. Isso implicaria empreender um salto qualitativo na forma como nos organizamos internamente e apresentamos a nossa investigação ao exterior”, completa.

OJE

Recomendadas

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.

Alemanha não vai seguir “política fiscal expansionista” do Reino Unido

O Governo alemão anunciou um fundo de 200 mil milhões de euros destinado a proteger consumidores e empresas do aumento dos preços do gás impulsionado pela guerra na Ucrânia.