Universidade do Porto participa à justiça alegados atos de xenofobia e racismo

A Universidade do Porto participou ao Ministério Público alegados atos de xenofobia e racismo por parte de alunos e professores nas faculdades de Engenharia e Letras, denunciados por um movimento de estudantes, confirmou este domingo à Lusa fonte desta academia.

Universidade Porto

“Por a discriminação xenófoba ser matéria de foro criminal participámos esses factos ao Ministério Público a 30 de outubro”, referiu essa mesma fonte.

Já a Procuradoria-Geral da República (PGR) adiantou à Lusa que “os factos em referência são objeto de investigação pelo Ministério Público do DIAP [Departamento de Investigação e Ação Penal] do Porto”.

A notícia da queixa ao Ministério Público foi avançada hoje pelo Jornal de Notícias.

Em outubro, a dirigente do movimento Quarentena Académica, Ana Isabel Silva, revelou ter recebido denúncias de estudantes estrangeiros, principalmente de nacionalidade brasileira, de “atos de xenofobia e de racismo” praticados por estudantes e professores, designadamente das faculdades de Engenharia e de Letras, sobretudo nas redes sociais.

Ana Isabel Silva acrescentou que, inicialmente, os próprios estudantes brasileiros denunciaram a situação junto da reitoria.

“Foi-lhes dito pela reitoria que a universidade não tolerava esses comportamentos”, mencionou Ana Isabel Silva, observando que estes atos se têm vindo a registar desde o início deste ano letivo, mas aumentaram com a pandemia, nas redes sociais.

Na altura, a universidade apelou “a todos os estudantes que denunciem e apresentem queixa dos atos que conhecerem para eventual abertura de processos disciplinares aos agressores”.

Já a 19 de outubro, na mensagem à comunidade académica, o reitor, António Sousa Pereira, disse não poder tolerar na comunidade académica “quaisquer atitudes de xenofobia, racismo, machismo, discriminação ou atitudes difamatórias e atentatórias do bom nome e da dignidade individual”.

“Apelamos a todos os docentes, estudantes e trabalhadores não docentes para que honrem o caráter superior da nossa instituição, seja no domínio académico e científico, seja nos planos ético, moral, social e da própria linguagem com que comunicamos”, afirmou, na ocasião.

Recomendadas

Músicos afegãos refugiados apresentam-se hoje ao vivo no festival Iminente em Lisboa

 Na génese deste projeto está a cooperativa cultural Largo Residências, de Lisboa, distinguida no ano passado com o prémio da Acesso Cultura na categoria de Acessibilidade Social.

Portugal está na frente na diretiva sobre plásticos de uso único

“Portugal está no pelotão da frente porque já transpôs grande parte” da diretiva e propôs até medidas bastante ambiciosas, por exemplo, em termos de redução de copos de bebidas e embalagens de plástico para ´take away´ (redução de 80% até final de 2026 e de 90% até 2030, tendo por referência os valores de 2022), diz o comunicado da Zero.
Comentários