Universidade privadas apostam na criação de Balcão Ibérico para facilitar atribuição de graus conjuntos (com áudio)

O Grémio Literário em Lisboa recebe esta quarta-feira, 22 de junho, o primeiro encontro ibérico de universidade privadas, cuja prioridade é o lançamento de uma rede ibérica de ensino superior.

A criação de um Balcão Ibérico do ensino superior privado, para facilitar e desburocratizar a atribuição de graus conjuntos, é um dos pontos altos do encontro entre a Associação Portuguesa do Ensino Superior Privado – APESP e a sua congénere espanhola, Fórum Emília Pardo Bazán, que decorre esta quarta-feira, 22 de junho, no Grémio Literário.

A mobilidade de estudantes, docentes e funcionários entre instituições de ensino superior particular e cooperativo dos dois lados da fronteira é outro tema em cima da mesa, tal como a montagem de centros de investigação conjuntos e de projetos educativos para os mercados Hispânico e da Lusofonia.

“A mobilidade de estudantes, docentes e funcionários entre instituições tem tantas virtualidades que estamos a conversar sobre a possibilidade de lançarmos uma rede ibérica”, afirma António Almeida-Dias. O modelo e a forma de funcionamento desta eventual rede poderá ser afinada em reuniões posteriores.

“Os 290 milhões de falantes de português e os 540 milhões de falantes de espanhol tornam estas duas línguas, juntas, a terceira mais falada no mundo”, afirma António Almeida-Dias, presidente da APESP. “Há portanto todo o interesse em que os dois sistemas de ensino superior não estatal, o português e o espanhol, se articulem no que diz respeito ao recrutamento de estudantes estrangeiros, nomeadamente em África e na América Latina, para titulações conjuntas”.

A missão do Fórum Emília Pardo Bazán é liderada pelo seu presidente, José Muñiz, reitor da Universidade Nebrija, e integra José António Verdejo, secretário-geral da Universidade Francisco de Vitória. Pela APESP, para além do seu presidente, António Almeida-Dias, e outros membros da Direção, participa João Redondo, recentemente eleito, em Berlim, presidente da Aliança das Instituições de Ensino Superior Não Estatais na Europa (EUPHE).

 

Recomendadas

Residência universitária nasce em Melgaço com financiamento do PRR

A candidatura para reabilitação da antiga escola primária de Prado recebeu aprovação no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência. O investimento ronda os 640 mil euros.

Universidade de Aveiro. Docente que se declarou abertamente homofóbico foi suspenso

A notícia é dada a conhecer pela reitoria durante uma manifestação de alunos contra Paulo Lopes.

Sovena e Fundação Amélia de Mello apoiam a formação profissional

No âmbito desta parceria, a Sovena e a Fundação Amélia de Mello irão estabelecer protocolos com cinco escolas profissionais do país, tendo sido já celebrados os protocolos com a ATEC- Academia de Formação, o Agrupamento de Escolas nº 3 de Elvas e a EPED- Escola Profissional de Educação para o Desenvolvimento. A Fundação Amélia de Mello também atribui os prémios Alfredo da Silva 2022 a investigadores.
Comentários