Unlock Boutique Hotels remodelou Hotel da Estrela e quer gerir 10 unidades em Portugal

O objetivo da empresa liderada por Miguel Velez é atingir a marca de dez unidades hoteleiras sob gestão até ao final do próximo ano, apostando sempre em hotéis de charme.

A Unlock Boutique Hotels gere neste momento seis unidades hoteleiras em Portugal, quatro de forma direta, mais duas em regime de ‘soft brand’, mas o objetivo da empresa liderada por Miguel Velez é atingir a marca de dez unidades hoteleiras sob gestão até ao final do próximo ano, apostando sempre em hotéis de charme.

Com apenas um ano de existência, esta empresa tecnológica que se dedica à gestão de hotéis ‘boutique’, já gere ativos de cerca de 30 milhões de euros e criou cerca de 70 empregos diretos.

A última grande intervenção da Unlock ocorreu no Hotel da Estrela, onde  na passada quinta-feira foi apresentado à Imprensa o novo restaurante, o ‘Book’, e o novo bar.

Miguel Velez não quis divulgar o valor do investimento efetuado nesta unidade hoteleira.

O ‘Book’ tem um novo ‘chef, Diogo Conde, uma nova carta, mas também um novo bar, ambos como novas decorações.

Com apenas 19 quartos, o Hotel da Estrela é uma unidade personalizada e intimista, ocupando o antigo palácio dos Condes de Paraty.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários