UTAO: PPP vão custar mais 434 milhões do que o previsto até 2043

As Parcerias Público-privadas (PPP) vão custar mais 434 milhões de euros até 2043 do que o previsto inicialmente pelo Governo, devido principalmente ao setor da saúde, estima a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO).

Numa nota sobre as projeções plurianuais com as PPP no Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), a que a agência Lusa teve hoje acesso, a UTAO conclui que os “encargos líquidos totais com as PPP entre 2016 e 2043 foram revistas em alta face ao previsto no Orçamento de Estado para 2016 (OE2016), quer em termos nominais, quer em termos do valor atualizado para este ano”.

Em termos nominais, apontam os técnicos independentes que trabalham junto da comissão parlamentar de orçamento, essa revisão em alta ascende a cerca de 434 milhões de euros, dos quais 210 milhões dizem respeito a parcerias no setor rodoviário e 235 milhões de euros a PPP do setor da saúde.

“O maior contributo para a revisão em alta dos encargos plurianuais com as PPP advém das parcerias do setor da saúde, encontrando-se concentrado no período 2017-2021”, afirma a UTAO.

A entidade explica que o aumento previsto incide sobretudo na componente clínica, “relacionada com a prestação de cuidados de saúde (Entidades Gestoras dos Estabelecimentos), cujo acréscimo previsto no período foi de 229 milhões de euros, uma vez que a previsão para a componente dos encargos relacionada com as infraestruturas (Entidades Gestoras dos Edifícios) registou uma revisão de cerca de seis milhões de euros”.

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários